TV União Rádio União Impressas - PDF Interativo

Social • 10 de março de 2018 • 09h01

Fernanda Dassie diz que nunca sofreu preconceito por ser diretora financeira, mas sim por ser fisiculturista

Fernanda Dassie, a "Financista Fitness", exalta o Dia das Mulheres, e relata que nunca sofreu preconceito por ser diretora financeira, mas sim por ser fisiculturista.

 

"É o dia de celebrarmos essas guerreiras que são mães, filhas, esposas, que cuidam dos outros, que trabalham, ralam, mas não deixam de ser vaidosas e de manter a pose em cima do salto. É o dia de celebrar essa beleza que a mulher tem por dentro e por fora. Sou diretora financeira e ao mesmo tempo atleta e, na parte de executiva, é muito bom ser mulher. É engraçado que parece que as pessoas respeitam mais quando olham uma mulher no comando de uma empresa. Valorizam mais! Pelo menos foi assim em todos os trabalhos que tive no HSBC, na Odebrecht e agora na LAB Madeiras. Uma mulher com liderança acaba passando mais respeito e mais admiração, principalmente para os homens. Nunca senti preconceito nessa profissão. Pelo contrário, sempre fui muito bem tratada", destaca a morena de 32 anos.

 

"Como atleta é um pouquinho diferente, pois as pessoas te enxergam um pouco estereotipada, principalmente quando você trabalha com fisiculturismo. Costumam nos rotular como pessoas burras que somente possuem corpos bonitos. Muita gente paga para ver que nós também temos uma outra profissão e que conciliamos as 2 coisas. E, sinceramente, mesmo que trabalhasse apenas com o fisiculturismo, a vida de atleta é muito trabalhosa e muito cansativa tanto para o homem quanto para a mulher. É necessária muita dedicação e disciplina. Mas as pessoas não olham por esse lado e acham que estamos simplesmente expondo o corpo e nos rotulam de forma errada. Sou formada em Administração e tenho MBA em Finanças pelo IBMEC, sou diretora financeira, planejo coisas, tenho controle, tenho uma equipe, mas gosto de ser atleta também. Felizmente também existem pessoas que valorizam o esporte, veem o quanto corremos atrás, o quanto somos guerreiras, o quanto conseguimos lidar com várias coisas ao mesmo tempo, cuidar de casa, cuidar da família e ao mesmo tempo ter um trabalho bacana e conseguir ser atleta. É uma vida de dedicação", exalta ela que participou de oito campeonatos de fisiculturismo em 2017 e obteve classificações muito boas, entre elas três primeiros lugares e três segundos lugares. Por isso Fernanda Dassie é atualmente patrocinada pelas marcas Black Skull, Labellamafia e Pharmactive.

 

"O melhor presente que a mulher pode ganhar nesse dia é o reconhecimento e o respeito, independente se for na parte profissional ou pessoal. Acho muito bacana a transformação natural das mulheres hoje em dia. Esse movimento das mulheres estarem na frente da liderança das grandes empresas, das mulheres se valorizarem, das mulheres correrem atrás, dessa mentalidade do mundo. Respeito e acho que cada um tem sua opinião, mas não sou feminista de achar que a mulher tem que ser mais que o homem. Acho que temos diretos iguais independente de sexo, idade, religião. Não acho que algum grupo precise ser beneficiado. Às vezes algumas feministas exageram  muito em algumas colocações e até forçam a barra. Nunca tive problema em relação ao trabalho. Pelo contrário, os homens sempre me respeitaram mais e me ouviram mais. Então isso me incomoda. Trabalhei com muitos homens, estudei com muitos homens e sempre convivi muito com esse meio. Sempre fui respeitada por eles e por isso tenho o pensamento um pouco diferente quando à isso. Não sou muito a favor do feminismo extremo, acho que todos precisam ser tratados com igualdade", finaliza a "Financista Fitness".

MF Press Global

Clique nas fotos para ampliar

Foto: MF Press Global
Foto: MF Press Global


Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário