Crawler Detect

Fama, dinheiro e suicídio 
TV União Rádio União Impressas - PDF Interativo

Social • 13 de junho de 2018 • 08h17

Fama, dinheiro e suicídio 

Duas mortes em um pequeno espaço de tempo, dos famosos Tim Bergling (DJ Avicii) e Anthony Bourdain, deixaram as pessoas com uma pergunta sem respostas: Por que pessoas famosas, ricas, que teoricamente teriam tudo o que todos querem, se matam?

O filósofo Fabiano de Abreu, que trabalha assessorando pessoas famosas a mais de 7 anos, tem sua teoria filosófica para essa questão.

"A fama passa a ser um inimigo, quando esquecemos que o bom da vida é o simples.

As obrigações impostas pela sociedade atual, ela é inconsciente, ela não é real. A condição imposta de ter que ser o melhor, faz com que a cobrança seja maior, assim como a decepção. Quando que na realidade não há o melhor e sim apenas o momento. O pior preço da fama, é o não reconhecimento do que é de verdade. Fantasiar uma realidade imposta é o tormento do verdadeiro eu que não pode ser mostrado, criando uma prisão imposta por si mesmo. É como um barril de pólvora com um fio, que mesmo queimando devagar, um dia poderá explodir. Temos que entender que não há soberania, que o acaso diferenciam as pessoas e que no fim, todos irão para o mesmo lugar. A percepção de ser querido por muitos, não é a mesma de ser querido por si mesmo, da percepção de diferenciar o falso do verdadeiro. A cobrança ela aumenta e a vida gira em torno de si, bloqueando tudo a sua volta, no que resulta a uma completa solidão. A solidão também está ligada a percepção do que é verdadeiro em relação a todas as pessoas que o circulam".

A psicóloga Roselene Espírito Santo Wagner também opinou sobre o assunto:

A sociedade em nome do consumo, e de um ideal inatingível de perfeição, mas introjetados como essenciais. Criando assim a ditadura da beleza, da felicidade, do sucesso... Esquecendo que a vida tem repertórios próprios, além destes.

Temos momentos, vicissitudes, idiossincrasias do sujeito desejante.

A partir deste cenário que às vezes é alcançado mas impossível de manter, instala-se a “Depressão “ que é o gatilho do suicídio. O sujeito deprimido não vive para si, mas para s demanda do outro, do externo. Diante do fracasso recolhe os investimentos afetivos feitos e recolhe-se em si. Gerando frustração, desamparo, desesperança, falta de perspectiva.

 

A depressão é um colapso parcial ou total da autoestima. É a morte da alma, o esvaziamento da energia vital, é muito pior que tristeza!

A existência tornou-se um fardo demasiadamente grande. A pessoa não quer morrer, mas não quer mais viver assim. O sujeito volta pra si mesmo toda a violência e agressão que deseja para o mundo que lhe cobra algo que ele já não pode mais oferecer: sucesso, vitórias, fama, conquistas!

De envergonha de si mesmo.

É sabido que 90% dos casos de suicídio apresentam distúrbios psiquiátricos, 10%  apresentam psicopatologias sutis.

É inquietante portanto e ainda um mistério os motivos reais que levam o sujeito cometer suicídio.

 

Geralmente quem teme a vida não tem medo da morte.

Como medida preventiva o ideal é uma psicoeducação em crianças, adolescentes e jovens adultos a elaborar e ressignificar frustrações. É importante transformar desafios em crescimento e maturidade, a vida exige coragem e resiliência.

Portanto sejam por quais motivos forem, parece que o gatilho ativador da decisão suicida tem q ver com a relação direta com a perspectiva internalizada de um ideal que esbarra numa realidade impeditiva da realização.

 

O “ego” deve sempre ser a parte sadia e fortalecida das instâncias de nossa alma. O ego deve desenvolver competência para negociar com o Id e o Superego. Tomando as decisões mais sadias e acertadas para a manutenção da vida .

Enfim, não podemos nos abster deste evento social, formamos uma sociedade, interagimos e fazemos trocas. O quanto você afeta e o quanto você é afetado?

Precisamos desenvolver compaixão, olhar o outro e sermos empáticos.

Suicídio não é um problema isolado e do outro, é também um problema meu e seu!

Desenvolva compreensão, busque ajuda, indique ajuda. Um profissional da área pode ajudar - procure um Psicólogo e ajude a salvar uma vida, inclusiva a sua ou de quem você ama.

Roselene Espírito Santo Wagner - Psicóloga Clínica/ Psicanalista/Neuropsicóloga - CRP 05/ 48913

https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/anthony-bourdain-escritor-e-apresentador-americano-morre-aos-61-anos.ghtml

MF Press Global



Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário