TV União Rádio União Impressas - PDF Interativo

Artigos e Opinião • 20 de setembro de 2018 • 08h50

As eleições e as necessidades nacionais

Ao mesmo tempo em que se vê a polarização da campanha presidencial - entre Jair Bolsonaro, que luta para manter a dianteira apurada nas pesquisas, e o lulopetismo tentando sobreviver através de Fernando Haddad - prestamos pouca atenção às eleições de governador,  senador e até de deputado, onde também são travadas grandes batalhas. Os pretendentes ao governo estadual trocam farpas e fazem promessas muito parecidas com as de quatro anos atrás que, logicamente, não foram cumpridas. E os concorrentes a deputado (federal e estadual) percorrem o Estado prometendo emendas parlamentares e obras públicas pelas quais, segundo dizem, se eleitos ou reeleitos, lutarão junto aos governos.

 

Um olhar geral sobre a campanha conduz à invariável conclusão de que a conta não fecha. Na área federal pouco se fala sobre medidas econômicas para evitar a crise (até porque isso não dá votos), na estadual os pretendentes prometem obras mesmo sabendo que os orçamentos são curtos. E os candidatos ao parlamento tentam atrair prefeitos e vereadores – a esta altura transformados em cabos eleitorais de luxo – com a promessa de emendas ao orçamento da União e do Estado que dêem algum dinheiro para os municípios e possam favorecê-los nas eleições municipais, que ocorrem daqui a dois anos. Não saímos do círculo vicioso, onde os políticos aliam-se para se eternizarem no poder e ninguém se preocupa com o povo, que deveria ser o objetivo primeiro do processo.

 

A insustentabilidade econômica brasileira é histórica. Nosso desenvolvimento público foi custeado com a emissão de moeda (e inflação) ou com o aumento da dívida pública, que obriga ao pagamento de juros custeados por inflação ou por alta de impostos. Os governos democráticos dos últimos 30 anos só aumentaram o buraco e, para se sustentar, recorreram ao loteamento do poder e mais recentemente à compra de apoio parlamentar que resultou na corrupção e nos crimes apurados pela Lava Jato. A irresponsabilidade foi tanta que chegamos a ter os gastos públicos a redor de 45% do PIB, o que levou o presidente Michel Temer a, assim que assumiu, tomar o remédio amargo de estabelecer o teto de gastos e experimentar a impopularidade.

 

Passada a eleição, independente de quem vença, teremos de partir para reformas profundas ou o país poderá entrar em colapso. A máquina pública terá de ser enxugada e, em vez de agir mediante encomenda, os congressistas terão de atuar como fiscais daqueles que os elegeram e não de si próprios ou de seus esquemas eleitoreiros. É preciso rever o sistema de desonerações e renúncias fiscais e recompor o poder financeiro de estados e municípios, hoje de chapéu na mão diante da União, que arrecada a parte do leão dos tributos e não consegue nem prestar os serviços que a Constituição garante como direito líquido e certo da população. O país precisa de novo rumo político-econômico e os políticos têm de reaprender suas funções na vida pública, pois o que praticam hoje é a mais perfeita representação do caminho para o caos...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br



Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário