Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Evento on-line será realizado nos dias 17 e 18 de novembro de 2021 com o tema “Alta produtividade aliada à conservação do solo”

A VII Reunião Paranaense de Ciência do Solo (RPCS), que será realizada nos dias 17 e 18 de novembro de 2021, já está com as inscrições abertas. Basta acessar o site do evento para se inscrever  https://www.even3.com.br/rpcs2021/. Pela primeira vez, o evento será totalmente on-line e traz como tema central "Alta produtividade aliada à conservação do solo".

O objetivo do evento é discutir a interação das várias áreas da Ciência do Solo em busca de alta produtividade das culturas agrícolas e a conservação do solo, visando  garantir a produção de alimentos com sustentabilidade.

A 7ª edição da RPCS é promovida pelo Núcleo Paranaense de Ciência do Solo vinculado à Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (NEPAR-SBCS) e organizada pelo Grupo de Solos do Departamento de Agronomia e do Programa de Pós-Graduação em Agronomia da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO-PR).

A RPCS já é considerada um dos eventos mais tradicionais que ocorrem no Estado, reunindo  pesquisadores, extensionistas, técnicos, representantes e empresários do setor agropecuário, além de acadêmicos da graduação e pós-graduação das áreas de Ciências Agrárias. O evento apresenta o que há de mais atual em pesquisas e casos relacionados à Ciência do Solo.

Tornou-se também um importante espaço para a submissão de trabalhos técnico-científicos, que poderão ser inscritos até o dia 04 de outubro de 2021. Os trabalhos poderão ser submetidos na forma de resumos, nas seguintes áreas temáticas:  Pedologia e Pedometria, Biologia do Solo, Física do Solo, Química e Mineralogia do Solo, Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas, Manejo e Conservação do Solo e da Água, Poluição, Remediação do Solo e Recuperação de Áreas Degradadas, Agroecologia, Educação em Solos e Extensão Rural.

A Comissão Organizadora está trabalhando para oferecer ampla programação com  palestras, que contarão com a participação de profissionais altamente qualificados e de diversas instituições do estado.

O coordenador da Comissão Organizadora, professor Cristiano Pott, explica que o tema da RPCS será amplamente debatido, pois aliar a alta produtividade às práticas conservacionistas tem sido um grande desafio dos produtores rurais.

Durante os dois dias, os participantes debaterão sobre a ciência do solo paranaense,  destacando o manejo sustentável do solo sob plantio direto, fertilidade e nutrição para altas produtividades, avanços na biologia para melhor conservação e produtividade, compactação do solo e a influência na produção e na conservação ambiental, entre outros. "Acreditamos ser fundamental a conscientização dos produtores rurais para a importância da conservação do solo, bem como da sociedade como um todo, pois além da base para a produção agrícola também tem importância ambiental na produção de água", afirma Pott.

Segundo ele, as pesquisas mostram que é possível produzir bem com o adequado manejo conservacionista do solo. "A adoção de boas práticas de manejo é um caminho viável e necessário para que o produtor rural garanta a eficiência e a rentabilidade da produção e ainda preserve o meio ambiente".

Erosão, o "bicho-papão" da lavoura

O diretor do NEPAR, Adriel Ferreira da Fonseca, alerta que o principal problema de conservação do solo do Paraná, a erosão, retornou ao campo. O motivo, segundo Adriel, seria a não aplicabilidade de tecnologias de manejo do solo. "Não sabemos se é um fator isolado do produtor ou se envolve a assistência, mas o fato é que a erosão retornou", afirmou ele.

Adriel entende que todos falharam nessa empreitada, porém, o produtor, a Ciência e a tecnologia têm sua parcela de culpa. "Não é que deixamos de fazer Ciência, mas a nossa comunicação não foi suficientemente adequada para dizer ao produtor que basta um descuido para que  a erosão, o "bicho-papão" da lavoura, volte trazendo prejuízos imensuráveis do ponto de vista econômico e sérias consequências ambientais ao nosso Estado".

O Paraná é o Estado pioneiro em Sistema Plantio Direto (SPD), uma das principais práticas de agricultura conservacionista. Porém o SPD precisa estar aliado a maquinários de tamanhos adequados para a propriedade, entre outras ações que vão contribuir para a redução de problemas de solos. "Temos muitos problemas de compactação de solo causados por máquinas, por isso é importante ter uma gestão da trafegabilidade, uso de pressão adequada dos pneus, assim como é preciso os terraços (curva de nível). Muitos produtores desmancharam os terraços, porque adquiriram máquinas maiores que a capacidade da propriedade", enfatiza Adriel.

Sem os terraços, as mudanças de intensidade e frequência de chuvas nos últimos anos contribuíram para a evolução do processo de erosão.

Outra consequência grave é o fato de a rotação de culturas ter sido deixada em segundo plano por conta do preço elevado da soja e não atrativo para o milho, em safras anteriores. "Isso desmotivou o produtor a fazer adequada rotação de culturas, emprego de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária e uso de adubos verdes na propriedade".

O diretor do NEPAR diz que não há mágica para reverter a situação, mas a pesquisa considera algumas ações como formar profissional qualificado para o adequado manejo e conservação do solo; realizar atividades sistemáticas para motivar o profissional. "Isso do ponto de vista acadêmico. Do ponto de vista científico, é importante gerar dados, mostrando o quanto se pode economizar e ganhar com a adoção de boas práticas conservacionistas".

Outro aspecto está relacionado à assistência técnica e extensão rural. "O número de profissionais qualificados é incompatível com a demanda do Estado".

Eleição

Durante a VII Reunião Paranaense de Ciência do Solo também será realizada a assembleia para eleição da nova diretoria do NEPAR para o período de  01 de janeiro de 2022 a 31 de dezembro de 2023.

O NEPAR reúne profissionais atuantes em Ciência do Solo no Estado do Paraná, bem como as instituições nas quais trabalham, visando o desenvolvimento da Ciência do Solo com o aprimoramento das atividades de pesquisa, ensino, extensão rural e assistência técnica, resultando no adequado uso, manejo e conservação do solo.

Vera Barão/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.