Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Levantamento do IBGE revela que o Estado subiu para a segunda colocação no ranking nacional com 360,64 milhões de dúzias de ovos produzidas em 2020. Incremento é de 3,3% em relação a 2019.

Por trás daquela vistosa bandeja com 30 ovos, invariavelmente acomodada em uma ponta de gôndola do supermercado, há muito trabalho. Empenho como o da família Cortez, de Arapongas, na Região Norte. Em diferentes gerações, costumam dizer que estão há “uma vida” na avicultura.

Dedicação vista nos números do Paraná. Os dados de 2020 sobre a produção de ovos, elaborados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que o Estado subiu para a segunda colocação no ranking nacional, com 360,64 milhões de dúzias produzidas, 3,3% a mais do que em 2019. São Paulo lidera com 1,14 bilhão de dúzias produzidas – Espírito Santo (359,802 milhões de dúzias), Minas Gerais (351,277 milhões) e Rio Grande do Sul (279,617 milhões) aparecem na sequência.

“São 53 anos na atividade. Um trabalho delicado, que requer muita atenção. Eu nasci aqui, na granja, e dei continuidade ao trabalho do meu pai. É um caso de amor com os ovos, com o Paraná e com o País”, afirma Dirceu Pontalti Cortez, sócio-proprietário da Granja Feliz.

O complexo que ele dirige é impactante e considerado um exemplo de organização dentro do setor. São 300 mil galinhas alojadas em uma área de 17,5 alqueires. Todas separadas por espécie, respeitando as rigorosas exigências sanitárias. A produção diária da Granja Feliz é estimada em 183 mil ovos por dia.

Volume que garante o emprego para aproximadamente 60 pessoas de forma direta. Alguns deles, inclusive, residem no próprio terreno da granja, em casas cedidas pela administração. “Não cobramos nada, aluguel, luz ou água”, conta o empresário.

A granja é um dos tantos polos da avicultura espelhados por Arapongas. Grupo que transformou o ovo em importante matriz econômica da cidade. De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, a produção de ovos de galinha para consumo participou em 2019 com 4,3% do Valor Bruto de Produção (VPB) de todo o núcleo de Apucarana, com concentração justamente em Arapongas.

O município lidera tanto em volume quanto em faturamento no Paraná. Produziu 40.106.700 dúzias em 2019, com valor agregado de R$ 100.266.700,00.

Exportação

Roberto de Andrade Silva, técnico do Deral, explica que o Brasil ainda exporta poucos ovos – mais de 98% da produção são voltados para o mercado interno (consumo in natura, indústria alimentícia, consumo institucional).

Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a pandemia de Covid-19 influenciou de maneira negativa os volumes embarcados. “Os Emirados Árabes Unidos, um dos principais destinos do produto brasileiro, sofreu reduções drásticas em seu turismo por causa do vírus, o que resultou na diminuição da demanda por ovos, consequentemente, das importações do produto brasileiro”, destaca Silva.

Insumos

Mercado externo que é parte da preocupação na granja dos Cortez. O dólar alto fez com que a exportação de milho e soja, base da ração das galinhas poedeiras, ficasse mais atrativa, abalando o mercado interno. Custo mais elevado dos insumos repassado em parte para o consumidor final, lá na ponta da gôndola. “Mexeu com o setor como um todo”, diz.

Em fevereiro o preço dos ovos apresentou expressivas altas em todos os níveis do mercado paranaense: produtor, atacado e varejo. Em relação ao preço pago ao avicultor, o aumento foi de 6,6%, em comparação com janeiro de 2021.

No mês passado, a caixa do tipo grande, com 30 dúzias, foi vendida, em média, a R$ 117,67. No atacado, o reajuste verificado chegou a 18,8% e a mesma caixa teve preço de R$ 120,41. Já no varejo, a dúzia atingiu o valor de R$ 6,01, alta de 7,3% em relação a janeiro. O levantamento é do Deral.

Como comparativo, em fevereiro de 2020, um avicultor precisava de 7,9 caixas de 30 dúzias de ovos para adquirir uma tonelada de milho. Em fevereiro deste ano, para ter a mesma quantidade, ele precisa investir 11,4 caixas de ovos, um aumento de 44,3%.

No farelo de soja, a relação é ainda mais forte. De 15,2 caixas necessárias para uma tonelada do produto em 2020, agora é preciso 26,8 caixas, aumento de 76,3%. “Precisamos de apoio para continuarmos a ser competitivos. Somos um segmento importante, que emprega milhares de paranaenses”, ressalta o secretário-executivo da  Associação Paranaense de Avicultura (Apavi), Edson Tsuguio Kakihata.

O setor pede ao Governo Federal a isenção de impostos como PIS e Cofins. A demanda está em análise pelo Ministério da Agricultura.

Série

O ovo de Arapongas faz parte da série de reportagens “Paraná que alimenta o mundo”, desenvolvida pela Agência Estadual de Notícias (AEN). O mostra o potencial do agronegócio paranaense. Os textos serão publicados sempre às segundas-feiras. A previsão é que as reportagens se estendam durante todo o ano de 2021.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.