Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Documento publicado semanalmente por técnicos do Deral (Departamento de Economia Rural) apresenta o estágio de produção e desafios de mercado para produtos agropecuários paranaenses

A Divisão de Conjuntura Agropecuária, do Deral (Departamento de Economia Rural), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, divulgou ontem (03) o Boletim Semanal (http://www.agricultura.pr.gov.br/Pagina/Conjuntura-Boletim-Semanal-092020) analisando o estágio de produção e o preço de diversos produtos agropecuários. Entre os destaques, a mandioca, da qual o Paraná é o segundo produtor nacional.

A previsão é que o Paraná produza cerca de 3,4 milhões de toneladas do produto. Se confirmada, será uma produção 10% superior à da safra anterior, apesar de a área plantada ter crescido apenas 4%. Até agora foram colhidos 42% dos 141,1 mil hectares cultivados, mas os produtores já preparam terreno para a próxima safra.

Grãos

A segunda safra de feijão está praticamente colhida no Paraná, restando apenas 1%. Mas a estiagem prolongada em grande parte do primeiro semestre do ano pode levar a uma quebra de cerca de 40% no total a ser colhido, o que representa 174 mil toneladas a menos. A falta de chuva também pode comprometer a qualidade de parte das 263 mil de toneladas previstas, com grãos em diâmetro não uniforme.

Para o milho, o ciclone extratropical desta semana provocou impactos pontuais, que poderão acarretar menor produtividade em algumas regiões. Segundo o boletim, o mais comum nesses casos é a planta sofrer o processo de acamamento, com a perda da posição original, dificultando a colheita ou provocando perdas na produção e na qualidade do cereal.

Avicultura

Entre outras análises encontradas no boletim, está a que se refere à avicultura de corte. Ela vivencia, neste início de julho, alguns fatores adversos: elevação dos custos de produção, fraca demanda no mercado interno que afeta os preços e a incidência da Covid-19 em algumas plantas frigoríficas, que levou à suspensão da habilitação de algumas para exportação à China.

O boletim traz, ainda, considerações dos técnicos do Departamento de Economia Rural sobre a pecuária leiteira e as culturas de trigo e soja. A olericultura é destacada a partir da análise sobre batata e tomate, enquanto na fruticultura a discussão que se coloca é em relação aos entraves para o Brasil alcançar a marca de US$ 1 bilhão em exportações.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.