Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Criadores de países da América e da Europa buscam na genética do país exemplares para trabalho e esportes

A busca pela genética brasileira do Cavalo Crioulo de outros mercados pelo mundo vem chamando a atenção de criadores e entusiastas da raça. Nos últimos leilões realizados por criatórios brasileiros, vem chamando a atenção as diversas vendas para outros países. A última novidade é a venda para a Bolívia, realizada recentemente de forma particular a um agropecuarista do país.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), Onécio Prado Junior, a entidade vem fazendo um trabalho de longa data no fomento pelo Brasil e também no exterior. “Temos visto bons resultados no Brasil, chegando ao Centro Oeste com o trabalho na pecuária, além de esportes como o Laço e as Rédeas. Temos também um trabalho em cima da vaquejada, com cavalos com características mais específicas, mas que o Cavalo Crioulo se adequa”, relata.

Prado Junior também destaca que as vendas para fora do país são reflexo deste trabalho de fomento, com ações como a realizada na Itália com o Freio da Europa, em 2019. “Também temos um trabalho para fora do Brasil, com os Estados Unidos nas rédeas, na Europa, onde tivemos ano retrasado o primeiro Freio de Ouro de lá, abrindo estas portas. Viemos fazendo um grande trabalho nesse sentido e sabemos que nosso cavalo responde bem a estas necessidades seja no esporte seja no trabalho”, observa.

O presidente da ABCCC frisa que esta abertura de mercado para a Bolívia chega também em uma modalidade que a entidade vem apostando, que é o trabalho na pecuária. “O país vem investindo muito na sua pecuária e isto mostra a necessidade do cavalo no trabalho na pecuária. É mais um mercado que procuramos trabalhar e estamos vendo no exterior é o cavalo para trabalho. E esta era uma fatia que queríamos atingir em especial no Centro Oeste na pecuária extensiva com o cavalo para esta função e agora abrindo também esta porta com o cavalo crioulo nessa atividade”, salienta.

O dirigente reforça que a entidade está acompanhando e apoiando os associados e criadores no mercado interno e também no mercado externo. “Vamos ajudar seja na parte burocrática e nos trâmites com as autoridades federais no sentido de facilitar para que consigamos cada vez mais ganhar o mercado fora do Brasil”, complementa o presidente da ABCCC.

Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.