Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O ciclo “Pecuária de Corte do Paraná – Onde estamos, Para onde vamos?” realizado pelo CRMV-PR em parceria com o CREA e a Faep em 2013 continua trazendo retorno para a agropecuária paranaense. O documento elaborado após o ciclo com o diagnóstico da bovinocultura de corte no Paraná foi uma das justificativas para o investimento de 1,8 milhões reais que incluirá mais 50 propriedades no programa PISACOOP do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A expectativa é que as atividades tenham início em fevereiro, sendo executadas pelo prazo de três anos.

Iniciado em 2013, o PISACOOP oferece assistência técnica gratuita a pequenos e médios produtores e atualmente atende 61 propriedades dedicadas à agricultura e à pecuária no Estado - destas, quatro são dedicadas ao gado de corte.

O retorno positivo obtido nestas quatro propriedades foi fundamental para a tramitação do processo e a expansão do programa para a segunda etapa, que será voltada exclusivamente à pecuária de corte. “A criação do PISACOOP de pecuária de corte no Paraná é uma iniciativa inédita do MAPA. Acreditamos que o sucesso obtido nas propriedades que receberam o projeto-piloto será repetido nestas outras 50 que serão incluídas”, afirma Adilson Kososki, Coordenador do Departamento de Cooperativismo e Associativismo Rural do MAPA em Brasília.

O pedido para a ampliação foi encabeçado pelo médico veterinário e conselheiro do CRMV-PR Piotre Laginski, que já participa do PISACOOP como coordenador do Comitê Técnico Gestor de Áreas Declivosas. “Percebemos a necessidade de orientação e assistência aos produtores do Paraná e solicitamos a inclusão de mais propriedades. Com a apresentação do relatório, o Daniel Gonçalves Filho (superintendente do MAPA no Paraná) se mostrou solidário à causa e aprovou o projeto”, destacou Laginski, que se reuniu no dia 13 de janeiro com o superintendente e os coordenadores do programa para firmar o acordo.

“Foi levado em consideração todo o trabalho desenvolvido pelo CRMV-PR, que elaborou um documento no qual são apontados diversos problemas do setor no Estado. Como por exemplo o fato de que muitos produtores estão migrando do gado para a agricultura e para o reflorestamento, o fechamento de plantas frigoríficas, a necessidade do melhoramento genético do rebanho, entre outros”, justificou Lucio Flavo Juliatto, fiscal do PISACOOP no Paraná.

O Programa

O objetivo do PISACOOP é prestar auxílio às propriedades que não dispõem de assistência técnica para que elas se tornem economicamente viáveis. Além disso, é incentivada a inclusão de gênero e a sucessão familiar para que os jovens possam dar continuidade ao trabalho da família no campo.

As propriedades escolhidas se tornam Unidades Comparativas e são responsáveis por, além de colocar o projeto em ação, difundir em seminários e dias de campo as técnicas aprendidas. “No processo de seleção das propriedades participantes foram priorizados produtores que se mostraram dispostos a compartilhar a experiência e a abrir sua propriedade para os vizinhos. O programa é de capacitação continuada e divulgação, então precisamos de alguém que tenha esse perfil”, destaca Juliatto.

Embora ainda esteja em fase de definição, o novo contrato do PISACOOP para fomentar a bovinocultura de corte deve atender propriedades de 21 municípios. São eles: Campo Bonito, Capitão Leonidas Marques, Cascavel, Catanduvas, Chopinzinho, Coronel Vivida, Diamante do Sul, Francisco Beltrão, Guaraniaçu, Ibema, Laranjeiras do Sul, Lindoeste, Mariópolis, Nova Laranjeiras, Nova Prata do Iguaçu, Pato Branco, Quedas do Iguaçu, Salgado Filho, Santa Tereza do Oeste, Três Barras do Paraná e Vitorino. O MAPA também confirmou a renovação do contrato das 61 propriedades que já recebem assistência pelo programa.

Thainá Laureano/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios