Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Expectativa é ampliar mercado com a obtenção do registro de Indicação Geográfica

A Associação de Pequenos Agricultores de Ginseng de Querência do Norte (Aspag) abriu o mês de fevereiro exportando para o Japão. Do pedido de 3 toneladas, foram enviados 450 quilos nessa primeira remessa. O restante está em fase de colheita e será embarcado nos próximos dias. Querência no Norte é um município do noroeste do estado, conhecido como o “Pantanal Paranaense”, que faz divisa com o Mato Grosso do Sul.

O Japão negocia mais duas toneladas do ginseng brasileiro (Pfaffia glomerata) cultivado pela associação. Essa demanda deverá ser atendida logo após a exportação de cinco toneladas para a França e de outras cinco toneladas para a China, as quais foram negociadas, anteriormente.

A planta é cultivada nas ilhas e várzeas do Rio Paraná. O produtor e sócio-presidente da Aspag, Misael Jefferson Nobre, ressalta que o ginseng brasileiro de Querência do Norte é nativo no município e adaptado ao solo e clima da região. “Conseguimos colher o ano todo um produto com qualidade. Com capacitações e orientações estamos trabalhando para buscar a IG, posicionar o produto e expandir o mercado”, diz.

A Aspag conta com uma área de 30 hectares e possui 27 agricultores associados. Além de trabalhar com agricultores em assentamento de reforma agrária, o projeto alcança os povos e comunidades tradicionais dos ilhéus do Rio Paraná.

“As ilhas são o único recanto que ainda possuem de forma abundante o ginseng brasileiro. Nosso projeto visa a uma produção sustentável no continente para preservar as ilhas”, destaca Misael.

Busca pela IG

A expectativa dos produtores é aumentar a exportação e alavancar negócios com o mercado nacional, nos próximos anos, ao agregar diferencial ao produto com a obtenção do registro de Indicação Geográfica (IG) junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), na modalidade de Denominação de Origem.

O registro implica em reconhecer e proteger o valor agregado ao ginseng brasileiro cultivado em Querência do Norte. Nesse processo, a Aspag conta com apoio de universidades, Prefeitura de Querência do Norte, acompanhamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com suporte e orientação do Sebrae/PR.

“A ação é estruturante e realizada por um grupo de instituições parceiras e de apoio ao pequeno agricultor e ao desenvolvimento local. A IG ajudará a ampliar o mercado interno e externo, assim como dar mais segurança a quem compra e quem vende o produto. Além disso, impactará na sustentabilidade e visibilidade do município e a região”, afirma a consultora do Sebrae/PR, Narliane de Melo Martins.

O grupo trabalha com a perspectiva de fazer o depósito do registro da IG para análise do INPI num prazo de até dois anos. Entre as ações que fazem parte do processo, a associação desenvolveu, em 2020, o logotipo, material de apresentação com selos de qualidade e certificações, rótulo, e aderiu ao Fórum Origens Paraná, iniciativa do Sebrae/PR que ajuda a posicionar pequenos produtores no mercado, e trabalha na organização de um caderno de anotações técnicas para produtores.

Asimp/Sebrae

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.