Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Tereza Cristina explicou que liberação de mais produtos não implica em aumento do uso

Em encontro com lideranças jovens da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) ontem (5), a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) afirmou que é preciso combater a desinformação sobre o uso de defensivos agrícolas no país. Para a ministra, existe um viés ideológico no compartilhamento de informações que “só traz prejuízos para o país”.

A ministra lembrou que os produtos brasileiros são seguros e continuam a ser exportados para outros países. “O Brasil exporta para 192 países no mundo. Se a gente tivesse os limites de resíduos acima do permitido, a gente estaria exportando nossos produtos? ”, questionou Tereza Cristina.

Ela também explicou que com, a regulamentação de mais produtos, o agricultor tem usado menos defensivos agrícolas: “A gente tem aí um acompanhamento que mostra que com a liberação de mais moléculas, o produtor vem usando menos, porque está usando produtos melhores. Ao invés de estar pulverizando uma ou duas vezes mais a sua lavoura com produtos que não têm mais efeito como deveriam ter”.

De 2016 para 2017, o número de registros de defensivos passou de 277 para 405, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. No mesmo período, o valor total das vendas de ingredientes ativos no país caiu de 541.861,09 toneladas para 539.944,95 toneladas, de acordo com o Boletim Anual de Produção, Importação, Exportação e Vendas de Agrotóxicos no Brasil, elaborado pelo Ibama.

Mercosul

Ainda durante a conversa om os jovens, a ministra foi questionada sobre os benefícios do acordo entre Mercosul e União Europeia para o pequeno produtor rural. Tereza Cristina respondeu que a parceria vai trazer esforços de competitividade para o Brasil. “Nós temos que pensar não só em soja, milho carne, mas pensar em nichos de mercado que a gente pode atingir lá fora”. Ela também afirmou que o governo fará um esforço para que esses agricultores tenham capacitação técnica para expandir seus produtos.

Programa CNA Jovem

A reunião fez parte do 4º encontro do programa CNA Jovem. Ao todo, 61 candidatos de 21 estados participam da iniciativa que tem como objetivo formar e preparar lideranças para o campo brasileiro. Tereza Cristina classificou a inciativa como “importantíssima”, pois os jovens vão mostrar “o que o agro tem de bom, o que agro pode trazer de modernidade, principalmente nesse novo tempo que o Brasil vai viver daqui para a frente”.
Neste fim de semana, ocorre a última etapa do programa com a divulgação dos vencedores. Para a participante Juliana Alves, da Paraíba, o projeto é uma oportunidade única para expandir os conhecimentos. “O agronegócio brasileiro vive um excelente momento e é ótimo a gente se integrar e poder contribuir com ele”, disse.

Para receber o prêmio do programa, os jovens precisam apresentar propostas para seis desafios do setor. Aqueles com as três melhores propostas individuais ganham uma viagem para o Vale do Silício, nos Estados Unidos, em Novembro. Já o grupo vencedor participa do Congresso Internacional de Lideranças Jovens do Agro, em outubro, em São Paulo.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios