Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O valor total computou, pela primeira vez, os recursos originários da captação de LCA destinados ao financiamento de aquisições de CPR e de operações com agroindústrias

O desempenho do crédito rural no penúltimo mês da atual safra agrícola (2019/2020) continua superando o resultado da temporada anterior, com total de R$ 207,56 bilhões.

O financiamento com as operações de custeio contabilizou R$ 97,23 bilhões (+11%), investimento, R$ 45,98 bilhões (+18%) e industrialização R$ 10,24 bilhões (+63%). O crédito de comercialização teve redução de 11%, e ficou em R$ 20,92 bilhões, resultante, principalmente, de aumentos nos preços agrícolas, o que desestimula a formação de estoques. Os recursos originários da captação de Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) e direcionados para aquisições de Cédulas do Produto Rural (CPR) somaram R$ 22,7 bilhões e de operações com agroindústrias totalizaram R$ 10,5 bilhões.

Os números fazem parte do Balanço de Financiamento Agropecuário da Safra 2019/2020, divulgado nesta terça-feira (9) pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 “O foco do apoio creditício está sendo direcionado cada vez mais para os pequenos e médios produtores rurais e para os programas prioritários de investimento. A participação dos grandes produtores, que respondem pela maior parte do crédito rural, está sendo, aos poucos, reduzida”, avalia o secretário de Política Agrícola, Eduardo Sampaio. “O desempenho favorável das aplicações do crédito rural reflete a confiança do produtor em sua atividade, apesar da ocorrência do Covid19”, diz Sampaio.

LCA

O valor total do desempenho do crédito rural computou, pela primeira vez, a partir de informação do Banco Central, os recursos originários da captação de LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) destinados ao financiamento de aquisições de Cédula do Produto Rural (CPR) e de operações com agroindústrias.

Embora previstos anualmente no Plano Safra, esses dados não vinham sendo contabilizados, pois somente eram captados os valores dos financiamentos realizados diretamente para o produtor rural, registrados no Sistema de Operações de Crédito Rural e do Proagro (Sicor), também do Banco Central. A safra da temporada, 2018/2019, também não possuía essa informação.

Os financiamentos contratados com recursos provenientes do direcionamento da captação da LCA totalizaram R$ 56,9 bilhões, sendo R$ 23,7 bilhões diretamente ao produtor rural, pelo crédito rural propriamente dito e, R$ 33,2 bilhões,indiretamente, mediante financiamento de aquisições de CPRs e de operações com agroindústrias, que, conforme mencionado, passam agora a ser computadas.

 “Nesta divulgação, conseguimos computar pela primeira vez os recursos originários da captação de LCA para aquisições de CPR’s e de operações com agroindústrias, um valor de R$ 33 bilhões, bastante significativo, que acaba também chegando ao produtor rural”, completa o Secretário.

Custeio e investimentos

De acordo com o boletim elaborado pela SPA, o aumento nos financiamentos de custeio foi elevado sobretudo pela contratação feita pelo médio produtor rural (Programa de Apoio ao Médio Produtor - Pronamp), atingindo R$ 22,78 bilhões (34%). A principal fonte de recursos foram os depósitos à vista, que aumentaram 73%. Os financiamentos dos agricultores familiares (Pronaf) atingiram 12,93 bilhões (aumento de 15%), tendo a poupança rural subvencionada como principal fonte de recursos.

O crédito de custeio direcionado aos demais produtores se situou em R$ 61,51 bilhões e responde pela maior parte deste financiamento, aumento de 3%.

O percentual de crescimento nos financiamentos aos médios produtores (Pronamp) foi ainda mais elevado quando destinado a investimentos, atingindo R$ 2,49 bilhões, aumento de 115%. No Pronaf alcançou R$ 12,13 bilhões (+19%) e R$ 31,36 bilhões (+14%) para os demais produtores.

Os investimentos realizados no âmbito dos programas de investimento, administrados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com recursos do BNDES e do Banco do Brasil, tiveram acentuado incremento com destaque para Pronamp R$ 2,49 bilhões (+115%), Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro) R$ 1,28 bilhão (+63%), Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura (Programa ABC) R$ 2,02 bilhões (+44%) e Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) R$ 1,36 bilhão (+31%).

Asimp/Mapa

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.