Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Os primeiros cinco meses de 2021 apresentaram o maior volume importado de fertilizantes pelo Brasil da série histórica desde 2011, com movimentação de mais de 13 milhões de toneladas. Os dados são do Boletim Logístico, publicado no dia 7 de julho pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Com os preços bastante remuneradores no mercado internacional e doméstico, os produtores aproveitaram a  relação de troca favorável de alguns produtos agrícolas, recorrendo a operações de compras antecipadas a fim de garantir o futuro das atividades.

Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás foram responsáveis por importar 8,8 milhões de toneladas. O volume significa 67% do total. Cabe ressaltar que a Bahia praticamente dobrou o volume de importação de fertilizantes no primeiro semestre, indicando um maior investimento por parte dos produtores em suas lavouras, resultado também dos preços favoráveis das principais commodities. 

Fretes

O Boletim Logístico também traz informações sobre o mercado de fretes, que registrou um desaquecimento no mês de maio, mantendo tendência de queda já registrada no mês de abril. O cenário justifica-se pelo período de entressafra, com desaceleração no mercado de fretes e no volume de embarques à medida que ocorre um arrefecimento relativo no fluxo da soja, em algumas localidades, onde os contratos já foram cumpridos e os agentes esperam a colheita da safra de milho no Mato Grosso.

De modo geral, existe um fluxo relevante e contínuo para as rotas com origem no Mato Grosso, o que mantém os preços mais elevados do que aqueles observados no mesmo período do ano passado. Esse suporte às cotações é devido a safra histórica de milho no Mato Grosso, bem como em vários estados com produção mais robusta. 

Exportações da Bahia

Outro destaque desta edição é o estudo acerca da exportação de US$ 2,3 bilhões em produtos agrícolas originários da Bahia no ano de 2020. As commodities que se destacaram na balança comercial foram a cultura do café conilon no sul e café arábica no centro-sul; algodão, soja e milho primeira safra no extremo-oeste; e milho terceira safra no nordeste baiano. No total, foram exportados 5,4 milhões de toneladas de produtos agrícolas oriundos da produção de algodão (inclusive pluma), café (em grãos e moído), milho e soja (grão, farelo e óleo).

Quanto aos municípios de origem dos produtos, destaca-se a liderança de Luís Eduardo Magalhães com o volume exportado de 3 milhões de toneladas (56,37% do total do estado da Bahia). Neste cenário, localidades do extremo-oeste do estado – região produtora de soja, milho e algodão  – ocupam as cinco primeiras posições e totalizando cerca de 95% do volume exportado em 2020.

Quanto aos terminais exportadores desses produtos, cerca de 78% do volume é escoado pela cidade de Salvador (BA), pelo Terminal Portuário Cotegipe, sendo China, Alemanha e França os principais compradores internacionais.

Confira a íntegra do Boletim Logístico de junho de 2021.

Asimp/Conab

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.