Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nos primeiros seis meses de 2019 foram embarcadas 36,2 mil toneladas do produto, com receita gerada de US$ 76 milhões. De janeiro a junho do ano anterior saíram do terminal 23 mil toneladas com rumo a outros países, somando US$ 49 milhões em receita.

As exportações de carne porco pelo Porto de Paranaguá cresceram 58% na comparação entre o primeiro semestre de 2018 e o de 2019. Neste ano, foram 36,2 mil toneladas exportadas do produto, com receita gerada de US$ 76 milhões. De janeiro a junho do ano anterior saíram do terminal 23 mil toneladas com rumo a outros países, somando US$ 49 milhões em receita.

A capacidade de embarque de carnes congeladas pelo porto paranaense é um dos diferenciais para o aumento nas movimentações no Estado. “Estamos preparados para responder tanto à produção do campo quanto às novas oportunidades de mercado que se abrem aos exportadores”, afirma o diretor-presidente da empresa Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

“A capacidade operacional e estrutura do terminal de contêineres, por onde são exportadas as carnes congeladas, somadas às regras operacionais, gestão e novos investimentos, são essenciais para atender a demanda crescente”, completa o diretor-presidente.

Mercado Externo

Os cinco principais destinos da carne suína que embarcou pelo Porto de Paranaguá são Hong Kong (13,3 mil toneladas), China (10,8 mil), Cingapura (6,9 mil), Vietnã (1,4 mil) e Albânia (1 mil toneladas).

O produto exportado pelo terminal paranaense é principalmente do próprio Paraná e dos Estados de Santa Catarina, Mato Grosso, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Espírito Santo.

De acordo com o analista do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Edmar Gervásio, o principal fator que impulsiona o aumento nas exportações de carne suína são as questões sanitárias internacionais.

Ele explica que a demanda pela carne suína do Brasil cresceu como um todo e o Paraná acompanha esse crescimento, principalmente pelas questões sanitárias que envolveram a China. “A tendência é que cresça ainda mais, pois o mercado está se abrindo. Por exemplo, a Rússia está voltando a comprar a carne de porco brasileira. Esse mercado estava travado no ano passado”, afirma Gervásio.

Segundo ele, só no Paraná são mais de 100 mil propriedades que criam porcos. Dessas, apenas 30 mil são produtores comerciais do produto. Os suinocultores paranaenses destinam a produção, via mar, principalmente para Hong Kong. Já pelo transporte terrestre, os maiores compradores são os vizinhos Argentina, Uruguai e Chile.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios