Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Apesar de representar 0,13% do VBP, a atividade contribui com a oferta de mão de obra, diversificação nas propriedades, ampliação de renda e beleza natural. Esse é um dos destaques do Boletim de Conjuntura Agropecuária na semana de 13 a 19 de agosto.

A floricultura representa apenas 0,13% do Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) do Paraná. No entanto, é uma atividade significativa para 112 municípios, mas praticada, ainda que em menor escala, em todos os 399. Esse é um dos destaques do Boletim de Conjuntura Agropecuária na semana de 13 a 19 de agosto. O documento é preparado pelos técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento.

Os números preliminares do VBP, divulgados pelo Deral, apontam que, em 2020, a atividade agropecuária paranaense alcançou R$ 128,3 bilhões. A maior parte se deve à produção de grãos, cereais e proteínas animais, em que o Paraná se destaca. Mas há outras culturas que têm importância ou pelo número de pessoas que empregam ou pela abrangência, como é o caso da floricultura.

Em 2020, ela contribuiu com 0,13% do montante do VBP, ou seja, a renda bruta gerada pelo setor no campo foi de R$ 171,6 milhões. É atividade importante para 112 municípios, com o envolvimento de cerca de 900 agricultores. Entretanto, permeia todos os 399 municípios do Estado e contribui para a oferta de mão de obra, diversificação nas propriedades rurais, ampliação de renda no campo e para a beleza natural própria da atividade.

Os gramados e as plantas perenes ornamentais representam 77,7% do VBP dos produtos do segmento. Já as orquídeas, crisântemos e rosas compõem as principais produções da floricultura propriamente dita, participando com 13%. Esses cinco cultivos somam 90,7%. O restante é distribuído entre outras 32 espécies exploradas.

Os núcleos regionais de Curitiba, Maringá, Toledo, Cascavel e Londrina concentram 88% da produção, com destaque para os dois primeiros que têm as substanciais parcelas de 40,4% e 19,8%, respectivamente. O município com maior VBP da floricultura é Marialva, com 12,5%. É seguido de perto por São José dos Pinhais, com 12,4%, e Campina Grande do Sul, com 11,6%.

Mandioca e trigo

O boletim registra, ainda, a apreensão dos produtores de mandioca em razão da falta de chuva que poderia ajudar no avanço da colheita e preparo para novo plantio. Devido a isso, a próxima safra pode apresentar redução de área, levando as indústrias a recorrerem à produção de outros Estados.

Sobre o trigo, o documento fala do preço que está em torno de R$ 90,00, próximo ao praticado em abril, quando a cotação atingiu recorde nominal. No núcleo de Cascavel, onde chegou a R$ 92,00, há preocupação maior, pois as primeiras áreas que serão colhidas são as afetadas pelas geadas. Isso pode prolongar a necessidade de importações para os moinhos manterem suas atividades.

Soja e milho

Da soja, o registro é das exportações. Entre janeiro e julho deste ano, o complexo formado por grãos, farelo e óleo rendeu o equivalente a US$ 4,01 bilhões ao Paraná. Isso representa redução de 1,7% em relação ao mesmo período de 2020, quando chegou a US$ 4,08 bilhões.

No caso do milho, o Estado exportou 405 mil toneladas nos sete primeiros meses, 13% a mais que no mesmo período do ano passado. Mas o Paraná se mantém como o principal importador do cereal. Entre janeiro e julho, o crescimento foi de 157% em relação ao mesmo período de 2020. Foram 669,4 mil toneladas, o que representa 62% do importado pelo Brasil.

Suínos, leite e avicultura

O boletim também fala sobre a exportação de carne suína do Paraná nos sete primeiros meses, que chegou a 86 mil toneladas, volume 8% superior ao mesmo período de 2020. Como terceiro maior exportador no Brasil, o Estado obteve valor financeiro de aproximadamente R$ 1 bilhão.

Da pecuária leiteira, o documento elaborado pelo Deral registra que os preços médios estaduais recebidos pelos produtores se elevaram em 8,24% de janeiro a julho, passando de R$ 2,04 para R$ 2,21 o litro. Acompanhando a tendência, as cotações também aumentaram no mercado varejista.

O boletim discorre ainda sobre projeção feita pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de que a produção brasileira de carne de frango deve ter incremento de 2,5% ao ano nos próximos dez anos. Mas destaca que, se não houver dificuldades adicionais, o crescimento pode ser até maior, alcançando 4% ao ano.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.