Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Altas temperaturas também tem prejudicado qualidade dos ovos, o que faz o preço subir

As altas temperaturas e o baixo volume de chuvas na região denominada ‘cinturão produtivo de café’ pode impactar a produção da safra comercial. A informação foi apresentada pela Cooxupé, maior cooperativa do setor e que conta com monitoramento agrometeorológico . Quem vai nos contar quais são as cidades afetadas e as consequências desses fatores é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas.

“Realmente, a situação lá está bastante complicada, as lavouras já estão sofrendo muito com esta falta de chuva, já que as temperaturas estão muito altas e algumas lavouras já começam a murchar. Algumas cidades são: Coromandel, Nova Rezende e Guaxupé, é claro, pois é uma das maiores produtoras de café do Brasil. Temos que ficar atentos e torcer para que as chuvas cheguem até o final desta semana.”

A questão meteorológica também está afetando o mercado de ovos. As altas temperaturas estão prejudicando a qualidade e alterando o tempo de conservação do produto. O que isso causa e qual a influência dessa situação nos preços, Carla?

“Embora esse problema do calor excessivo cause alguma influência na qualidade e na conservação dos ovos produzidos, essa questão também acaba influenciando nos preços mais baixos e menor oferta, o que acaba trazendo alta nos preços. Então, o preço médio acumulado em setembro já tem um aumento na casa dos 19% em relação aos preços muito baixos registrados no mesmo período de 2018. É importante lembrar que as condições do clima têm tirado bastante da qualidade do produto.”

E pela segunda vez em menos de uma semana, a China fez mais uma compra de soja dos Estados Unidos, mesmo diante de um cenário de guerra comercial. Essa é mais uma demonstração de que os chineses querem o acordo com os norte-americanos, Carla?

“É sim um movimento dos chineses e dos norte-americanos para firmarem um acordo, pelo menos um acordo parcial ou interino, como tem chamado os especialistas. É que a compra da China pela soja dos Estados Unidos desde terça foi de 260 mil toneladas, e nos últimos três dias os chineses já compraram mais de 600 mil. É uma sinalização de que os chineses precisam do produto americano, principalmente porque neste momento os preços dos produtos agropecuárias da China sobem consecutivamente, entre eles destaque para a carne de porco, que somente em uma semana cresceu cerca de 4%.”

E a empreitada do ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da CNA para expandir os mercados brasileiros vem apresentando resultados. Agora, o ministério anunciou um acordo comercial com a Arábia Saudita, e o país árabe já deu o sinal verde para a compra de frutas, castanhas e ovos brasileiros. Carla, o que podemos esperar dessa parceria?

“Os resultados, até esse momento, são bastante positivos. Um dos participantes do encontro do lado dos sauditas já sinalizou ao ministério da Agricultura que pede ajuda para enviar uma missão para o Brasil para prospectar mais negócios. A ministra Tereza Cristina já colocou o ministério da Agricultura à disposição para viabilizar essa visita e ampliar, como é o principal objetivo, a pauta comercial do Brasil com a Arábia Saudita.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo. noticiasagricolas.com.br para ser o produtor rural mais bem informado do Brasil."

Raphael Costa/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios