Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, participou na ultima quinta-feira (28) em Ponta Grossa do lançamento da cultivar de feijão-preto IPR Urutau, elaborada pelo Instituto Agronômico do Paraná (Iapar).

A principal característica dessa cultivar é o potencial de rendimento, que pode ultrapassar a marca de 4,5 toneladas por hectare, segundo Vania Moda Cirino, especialista em melhoramento genético vegetal do Iapar que trabalhou no desenvolvimento do material. O evento também contou com a presença do presidente do Iapar, Natalino Avance de Souza, parceiros multiplicadores, produtores, técnicos e secretários municipais.

Ao longo dos seus 48 anos, o Iapar já entregou para a sociedade cerca de 200 cultivares de diversos produtos agrícolas, sendo 38 de vários grupos de feijão. “É uma cultivar que promete bons resultados porque foi exaustivamente testada no Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul, com média de desempenho excepcional a campo nos testes de pesquisa. Talvez seja a melhor cultivar de feijão que o Iapar já tenha criado”, disse Ortigara.

A nova cultivar tem ciclo semiprecoce e, em média, chega à colheita em 84 dias após a emergência. Os grãos de IPR Urutau têm alto teor de proteína e são de rápido preparo – cozinham em cerca de 19 minutos. Destaca-se ainda pelo bom comportamento frente as principais doenças que atingem lavouras de feijão e pelo porte ereto, característica que proporciona mais eficiência na operação de colheita. Foram 12 anos dedicados para o resultado, entre o início do trabalho em laboratório até a fase entrega das sementes para os parceiros multiplicadores.

A cultivar deve colaborar muito na melhora da produção e redução de custos pra os agricultores, além de abastecer a demanda de consumo do Brasil, que pode reduzir a importação de outros países.

A variedade recebeu esse nome para fazer referência à rapidez de desenvolvimento do feijão, já que Urutau é um pássaro ágil. O diretor de pesquisa do Iapar, Rafael Fuentes Llanillo, explica que a nova cultivar supera as melhores variedades de feijão em cerca de 12%.

Segundo ele, é fruto de um cruzamento feito em 2006 entre quatro variedades, buscando principalmente o ciclo mais curto e resistência a doenças, além da qualidade para o cozimento. “Existe um sistema de multiplicação dessa semente, onde ela sai da mão do pesquisador e é entregue a parceiros multiplicadores que têm contrato com o Iapar e a Secretaria. Já na safra 19/20 ela estará à disposição dos produtores”, afirmou.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios