Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Formada por cinco cooperativas com quase 900 associados de 34 municípios paranaenses, união das cooperativas fortalece a agricultura familiar

Aumentar a competitividade das cooperativas e dos agricultores familiares que, sozinhos, possuem pouca força para entrar no mercado, foi o propósito que motivou a Klabin a apoiar a criação da Central de Cooperativas da Agricultura Familiar Centro Norte do Paraná. O grupo é formado por cinco cooperativas parceiras do programa Matas Sociais e quase 900 associados, de 34 municípios paranaenses, todos atendidos pela iniciativa.

A entidade foi constituída no fim de agosto, em reunião realizada no município de Telêmaco Borba (PR), com a presença de representantes da Federação de Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária do Estado do Paraná (FECAFES). O intuito da criação de uma Central é a união para fortalecer a produção e comercialização de alimentos, buscando novos mercados, preços competitivos, troca de experiências e otimização de serviços. A gestão é compartilhada entre as cooperativas participantes, que tomam decisões para ampliar a presença dos produtores locais no mercado.

Fazem parte da nova Central a Cooperativa de Agricultores Familiares de Cândido de Abreu (Copercandi), Cooperativa da Agricultura Familiar de São Jerônimo da Serra (COOAF), Cooperativa de Apicultores e Meliponicultores Caminhos do Tibagi (Coocat-Mel), Cooperativa de Processamento Alimentar e Agricultura Familiar Solidária de Sapopema (Copasol) e Cooperativa Agropecuária Reservense (COPAR-R). Outras integram a discussão conjunta, como a Cooperosas, de Ortigueira, em processo de criação. Além das cooperativas, associações de agricultores também fazem parte da estratégia de atuação conjunta para discutir os arranjos produtivos da região, como a Associação de Moradores e Produtores do Cerrado Grande (AMPRCG), de Tibagi, e a Associação de Produtores Rurais de Campinas Belas (APROCAM), de Reserva.

A iniciativa potencializa o alcance do programa Matas Sociais – Planejando Propriedades Sustentáveis, realizado pela Klabin desde 2015, que atende mais de 600 propriedades rurais de 11 municípios da região, além de associações e cooperativas de agricultura familiar. Com a parceria do Sebrae e da Apremavi  e apoio das prefeituras municipais, o programa auxilia pequenos e médios produtores rurais nas etapas de produção, desde a adequação ambiental ao apoio à comercialização de alimentos nos mercados locais, passando por ações de formação, diversificação da propriedade e incentivo ao associativismo e cooperativismo.

“A Central permitirá aos agricultores familiares maior potencial competitivo e ampliação dos canais de comercialização. São cooperativas com distintas origens e realidades, no entanto, solidárias, com necessidades comuns que permeiam a estruturação de um mercado sólido para ampliar as possibilidades de mercado”, frisa Regiane Aparecida Moura da Silva, presidente da COOAF, eleita presidente da Central.

A agenda prevê uma série de atividades, começando por estruturar o plano de negócios e de viabilidade da Central, em parceria com o Sebrae, além da estruturação da sede, em Telêmaco Borba, e articulação com diferentes instituições para a definição de agendas em comum.

“Ações como essas fazem parte da Política de Sustentabilidade da Klabin, que visa contribuir com o desenvolvimento regional dos municípios onde atuamos de maneira sustentável. A criação da Central com o apoio do Matas Sociais representa um importante marco do trabalho conjunto com os produtores e suas cooperativas para ajudá-los a se desenvolverem e alcançarem maior produtividade e sustentabilidade”, afirma Uilson Paiva, gerente de Responsabilidade Social e Relações com a Comunidade da Klabin.

Matas Sociais

Iniciado em maio de 2015, o programa “Matas Sociais – Planejando Propriedades Sustentáveis”, promovido pela Klabin no Paraná, incentiva a agricultura familiar e auxilia pequenos produtores rurais dos municípios de Ortigueira, Imbaú, Telêmaco Borba e Reserva em todas as etapas de produção, desde a obtenção do Cadastro Ambiental Rural (CAR) até a comercialização da produção nos mercados locais, passando pela diversificação da propriedade e incentivo ao associativismo/cooperativismo. Em 2020, o Matas Sociais também se expandiu para Santa Catarina, para contribuir com o fortalecimento da agricultura familiar, iniciando as ações no município de Otacílio Costa. O lançamento ocorreu em um seminário que contou com a participação de agricultores da Serra Catarinense, parceiros e apoiadores. Ações de incentivo à produção foram conduzidas, incluindo o apoio à comercialização de hortifrúti no sistema de delivery, que começou a operar no mês de dezembro. Este ano, a iniciativa chegou aos municípios de Lages e Correia Pinto. A expectativa é que pelo menos 60 propriedades sejam atendidas na região.

As ações do programa continuarão visando o desenvolvimento local e das comunidades em 2021, incluindo a expansão para outros municípios do Paraná e Santa Catarina.

Giuliano Lagonegro/Asimp/Klabin

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.