Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A gestação coletiva de matrizes suínas, onde são alojadas em grupos que permitem melhor expressão do comportamento natural e interação com outras porcas, é uma das apostas para melhorar o bem-estar animal e a sustentabilidade na suinocultura brasileira. Esse sistema de alojamento é tema do Seminário Técnico Brasil Sul de Gestação Coletiva de Matrizes Suínas, que acontece no próximo dia 9 de agosto durante o IX Simpósio Brasil Sul de Suinocultura no auditório do Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo Nes em Chapecó-SC.

A programação prevê a apresentação do Projeto Diálogos Setoriais União Europeia-Brasil: Estratégias do Serviço Veterinário Oficial (SVO) e setor privado para a adoção da gestação coletiva de matrizes suínas, o papel da Embrapa Suínos e Aves na transição para a gestação coletiva e uma mesa redonda para debater experiências na gestação coletiva de matrizes suínas com agroindústrias convidadas. O evento é gratuito e realizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Embrapa Suínos e Aves de Concórdia-SC. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas com a Comissão de Bem-Estar Animal do Mapa, pelo e-mail comissao.bea@agricultura.gov.br.

"A partir da década de 1970, a produção de suínos no Brasil passou a ser realizado em sistema de confinamento. Isso melhorou o controle sanitário, reduziu a perda energética dos animais e aumentou a produtividade, mas alterou a vida social natural dos animais. É isso que estamos buscando agora: aliar a produtividade com o bem-estar animal dos suínos, no caso, das matrizes", diz o pesquisador Osmar Dalla Costa, da Embrapa Suínos e Aves, um dos palestrantes do seminário técnico de agosto. O Brasil tinha em 2015, segundo a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), 2,5 milhões de matrizes suínas.

"No sistema intensivo, as fêmeas suínas têm comportamentos e bem-estar comprometidos", diz o pesquisador, destacando uma diretiva da União Europeia que obriga a manter todas as matrizes reprodutoras e marrãs de reposição em grupo, durante um período de quatro semanas após a inseminação até uma semana antes da data prevista do parto.

Dalla Costa também lidera as ações de um termo de cooperação técnica sobre o assunto com o Mapa para capacitar profissionais da suinocultura brasileira na área de sistema de alojamento de matrizes suínas. O termo de cooperação prevê a instalação de uma unidade de demonstração de sistema de alojamento de matrizes em baias coletivas na Embrapa Suínos e Aves, cursos em sistema de alojamento de matrizes, estudos de análise econômica através do levantamento do custo de implantação de sistema de alojamento em baias coletivas, custo da migração do sistema convencional para os sistema de baias coletivas, indicadores técnicos do sistema de alojamento de matrizes coletivas, avaliação dos indicadores de bem estar da matrizes e capacitação de técnicos para atuar em sistema de produção com baias coletivas na gestação e incrementar o bem-estar dos animais e das pessoas envolvidas no manejo dos suínos.

Seminário Técnico Brasil Sul de Gestação Coletiva de Matrizes Suínas

Data: 09.08.2016

Local: Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo Nes, Chapecó-SC

Inscrições: gratuitas, pelo e-mail comissao.bea@agricultura.gov.br

Programação:

• 8h30 - 9h: Abertura do Seminário

• 9h - 9h15: Projeto Diálogos Setoriais União Europeia-Brasil: Estratégias do Serviço Veterinário Oficial (SVO) e setor privado para a adoção da gestação coletiva de matrizes suínas

• 9h15 - 9h30: O papel da Embrapa Suínos e Aves na transição para a gestação coletiva

• 9h30 - 10h: Intervalo

• 10h - 12h30: Mesa redonda "Compartilhando experiências na gestação coletiva de matrizes suínas", com apresentação dos cases das agroindústrias convidadas (BRF, JBS Foods, Adelle Foods, Pamplona) e debate:

- Como realizar a transição dos sistemas, objetivando o menor impacto ao produtor rural (oportunidades e desafios na implantação das granjas)

- Experiências com o sistema de gestação coletiva sem uso de estação de alimentação (índices de produtividade e desafios de manejo)

- Resultados e desafios de manejo no sistema mini box

- Experiências com o sistema de arraçoamento automatizado (estações de alimentação), índices de produtividade e desafios no manejo

- Gestação coletiva, como reduzir o impacto na reprodução das fêmeas suínas- Desafios no manejo (sistema cobre e solta)

O Seminário Técnico Brasil Sul de Gestação Coletiva de Matrizes Suínas tem apoio da ABCS (Associação Brasileira dos Criadores de Suínos), ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) e do Nucleovet (Núcleo Oeste de Médicos Veterinários).

Lucas Scherer Cardoso/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios