Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O objetivo dos planos é evitar a entrada de pragas exóticas de importância econômica no país ou adotar medidas tempestivas no caso de sua eventual detecção

A Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou na terça-feira (15), no Diário Oficial da União, as Instruções Normativas nº 111 e 112 que tratam, respectivamente, dos Planos Nacionais de Prevenção e Vigilância das pragas  Lobesia botrana  (Traça-europeia dos cachos da videira)   e Moniliophtora roreri  (Monilíase do Cacaueiro). Ambas as pragas compõem a lista de 20 pragas ausentes priorizadas no âmbito do Programa Nacional de Prevenção às Pragas Quarentenárias Ausentes no Brasil.

“O objetivo dos planos é evitar a entrada de pragas exóticas de importância econômica no país ou adotar medidas tempestivas no caso de sua eventual detecção, evitando assim a sua dispersão para outras áreas e os consequentes danos econômicos e sociais para os produtores rurais”, destaca a coordenadora-geral de Proteção de Plantas, Graciane de Castro. Segundo ela, todas as 20 pragas ausentes priorizadas terão planos específicos estruturados.

A praga Lobesia botrana é categorizada como Praga Quarentenária Ausente (PQA) no Brasil e se constitui em grande ameaça às culturas da uva, mirtilo, cereja e ameixa. É considerada a principal praga da videira (Vitis vinifera).  A vitivinicultura brasileira possui enorme importância social e econômica pelo elevado impacto na geração de emprego e renda, tanto nos segmentos de uvas de mesa (que representam mais da metade da área cultivada com uvas no Brasil) quanto nas uvas para processamento, destinada à elaboração de vinhos, espumantes, suco de uva e outros produtos.

Já a monilíase, causada pelo fungo Moniliophthora roreri, é também PQA e considerada a doença mais devastadora para o cacau. A praga tem histórico de grandes prejuízos em outros países, sendo as variedades dos hospedeiros no Brasil suscetíveis a esta doença. Sendo o Brasil grande produtor de cacau, fica evidente o seu potencial de dano para o país.

As ações de prevenção à introdução de novas pragas no país são fator fundamental na proteção e sustentabilidade da fruticultura nacional e têm tido especial relevância neste ano, declarado pelas Nações Unidas como Ano Internacional da Sanidade Vegetal, com o objetivo de sensibilizar globalmente para as vantagens da proteção da sanidade dos vegetais, na prevenção da fome mundial, redução da pobreza, proteção do ambiente e estímulo do desenvolvimento econômico.

Asimp/Mapa

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.