Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O reconhecimento oficial é condição essencial para que os produtos brasileiros acessem mercados internacionais para os quais a praga está ausente

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou ontem (17), no Diário Oficial da União, a Portaria nº 305, que reconhece a expansão da área livre da praga mosca das frutas (Anastrepha grandis) nos estados do Ceará e Rio Grande do Norte. O estabelecimento e reconhecimento oficial de uma Área Livre da Praga (ALP) é condição essencial para que os produtos brasileiros acessem mercados internacionais para os quais a praga está ausente e apresenta importância econômica.

 “A Anastrepha grandis, conhecida mosca das curcubitáceas, é uma espécie  da família das moscas das frutas e para que o Brasil continue crescendo na produção e exportação de frutas é importante superar o desafio de se controlar essas pragas, uma vez que praticamente todos os países com uma agricultura minimamente organizada possuem barreiras fitossanitária à moscas das frutas na sua legislação”, explica a coordenadora-geral de Fiscalização e Certificação Fitossanitária Internacional, Edilene Cambraia.

O Brasil é o terceiro produtor mundial de frutas, com produção anual em torno de 40 milhões de toneladas, sendo que somente cerca de 3% dessa produção é exportada. Esta expansão busca aumentar as áreas adequadas e irrigadas para a produção das espécies cucurbitáceas, principalmente melão e melancia, ampliando as oportunidades de acesso a novos mercados como por exemplo o mercado asiático, e ainda a ampliação da oferta para os mercados já abertos.

A área livre de pragas de Anastrepha grandis, passa de 14.570 km² para 23. 722 km². No Ceará, os municípios que integram a área são: Aracati, Fortim, Jaguaruana, Icapuí, Itaiçaba, Limoeiro do Norte, Palhano, Quixeré, Russas, Tabuleiro do Norte e o Distrito de Aruaru do Município de Morada Nova. Já no Rio Grande do Norte, a zona inclui os municípios de Afonso Bezerra, Alto do Rodrigues, Apodi, Areia Branca, Assú, Baraúna, Caraúbas, Carnaubais, Felipe Guerra, Grossos, Governador Dix-Sept Rosado, Ipanguassu, Jandaíra, Macau, Mossoró, Pedro Avelino, Pendências, Porto do Mangue, Serra do Mel, Tibau e Upanema.

O estabelecimento, reconhecimento e manutenção de uma ALP é fruto da parceria entre produtores, Agências de Defesa Estadual e Ministério da Agricultura.

Ascom/Ministério da Agricultura.Pecuária e Abastecimento

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.