Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Semana temática ressalta a produção orgânica e lança campanha anual sobre o tema

Em um ano em que a pandemia do coronavírus assolou o mundo, os cerca de 25 mil produtores cadastrados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) como orgânicos foram colocados à prova e conseguiram dar conta da demanda de um consumidor cada dia mais exigente e responsável no consumo dos alimentos. 

O número de produtores orgânicos cresceu mais de 10% desde janeiro do ano passado, conforme o Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos do Mapa. O avanço também foi registrado no campo: são 1 milhão de hectares de área com produção orgânica, somando mais de 31 mil unidades de produção.

Para capacitar esse público de produtores conforme as melhores práticas, a ministra Tereza Cristina anunciou ontem (12) a destinação de R$ 3 milhões para assistência técnica por meio da Anater. O Programa Residência Profissional Agrícola, conhecido como Agro Residência, também terá uma temática específica de atendimento aos produtores de orgânicos.            

“Os produtores estão dando resposta à demanda da sociedade, atendendo ao consumidor que busca um produto perto do seu ponto de consumo. Além das vantagens sociais e ambientais, temos uma grande oportunidade de negócios para a produção de orgânicos no Brasil. É um momento de celebração, de promoção para os consumidores e, principalmente, de valorização dos produtores”, declarou o secretário de Defesa Agropecuária, José Guilherme Leal.

A produção de alimentos orgânicos cresceu 30% em 2020, segundo dados da Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis). Esse aumento de produção, consumo e procura por alimentos cultivados e processados de forma mais sustentável movimentou cerca de R$ 5,8 bilhões no mercado nacional.

Para promover ainda mais o modelo de produção orgânica, o Mapa reúne representantes do governo, produtores, técnicos e acadêmicos para discutir o desenvolvimento do setor. A XVII Campanha Anual de Promoção do Produto Orgânico começa nesta segunda-feira (12) com o tema “Alimento Orgânico: sabor e saúde em sua vida”.

“Essa campanha já se tornou tradição no Mapa e ganha uma importância especial neste ano de pandemia em que ficaram tão evidentes os vínculos entre saúde, alimentação, agricultura e meio ambiente.  A produção orgânica se desenvolve de forma harmônica com a natureza, sem descuidar da geração de renda e da inclusão social. É a expressão mais pura do social, econômico e ambiental”, afirmou a ministra Tereza Cristina.

Mesas de diálogos compõem o Seminário Virtual, a ser realizado nos dias 12 e 13 de julho, a partir das 14h. As transmissões serão ao vivo pelo Youtube da Escola Nacional de Gestão Agropecuária (Enagro).

Assista:

12/07: https://youtu.be/OlnPt4SSrLs 

13/07: https://youtu.be/xt6-a4HRhRA

Confira a programação completa da Campanha

Produção orgânica é ciência

Ser orgânico vai além da não utilização de defensivos de origem química. A legislação brasileira especifica que a produção agroecológica privilegia o uso saudável do solo, da água e do ar, e as práticas de manejo produtivo que preservem as condições de bem-estar dos animais.

A lógica da não utilização de compostos químicos é não eliminar a cadeia biológica que compõe aquele determinado ambiente produtivo. Já que, ao mesmo tempo que um organismo pode ser prejudicial, outro, daquele mesmo ecossistema, está ali para combatê-lo. É o inimigo natural.

A coordenadora de Produção Orgânica do Mapa, Virgínia Lira, explica que, para confirmar qual relação entre organismos é a mais adequada para tratar determinada praga, fungo ou doença na plantação, é preciso muito experimento. Assim, a visão de que a produção orgânica é mística e que os produtores - em sua maioria, pequenos e de núcleo familiar – não fazem uso de tecnologia se tornou uma falácia.

“A produção orgânica se alicerça no conhecimento do solo, da planta, das inter-relações, do comportamento dos animais, na necessidade de se pensar no bem-estar e de se utilizar os recursos naturais da melhor forma. Então, eu entendo a produção orgânica como uma ciência. Há muitas pesquisas e estudos atualmente, não se trata de empirismo”, afirma.

Ouça o Mapacast sobre a produção orgânica no Brasil

Na mesma toada de controle natural de doenças e pragas, os bioinsumos aparecem como alternativa de manejo sustentável para o cultivo de orgânicos. No Brasil, o uso desse tipo de produto aumenta a cada ano e já ultrapassou a média mundial. Enquanto o crescimento internacional está na base de 15% ao ano, aqui atingimos 28%.

O uso de qualquer produto na produção orgânica deve seguir a aprovação de órgãos como o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por serem considerados produtos de baixo impacto ambiental e também de baixa toxicidade, a legislação foi idealizada no intuito de acelerar o seu registro sem deixar de lado a preocupação com a saúde, o meio ambiente e a eficiência agronômica.

“O uso de insumos na produção orgânica obedece uma lista positiva, de forma que só podem ser utilizados os produtos autorizados em normativo o que transforma essa atualização em um processo de registro diferenciado, mais ágil com revisão a cada seis meses para não impedir o produtor de acessar novas tecnologias”, completa Lira.

Selo

Para serem comercializados como orgânicos, os alimentos, processados ou não, devem conter o selo “Produto Orgânico Brasil”, do Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformidade Orgânica (SisOrg). A presença da certificação atesta que todas as etapas de produção do produto são agroecológicas, ou seja, o produto não foi cultivado com adubos, fertilizantes ou insumos químicos, artificiais, sintéticos, transgênicos, hormônios, antibióticos e não recebeu a aplicação de defensivos tóxicos, como herbicidas, fungicidas, nematicidas, entre outros critérios.

Para os alimentos industrializados, somente são considerados orgânicos os com mais de 95% de ingredientes de origem na agricultura orgânica. O produto que tiver entre 70 e 95% de ingredientes orgânicos, pode ser identificado no rótulo como “produto com ingredientes orgânicos”. Neste caso, a embalagem também deve listar os ingredientes não-orgânicos. Já, se o produto tiver menos de 70% de ingredientes orgânicos, ele não é considerado como tal.

Caso o alimento seja comercializado em feiras e não esteja sinalizado com o selo de produto orgânico, o consumidor pode pedir cópia do certificado orgânico ao produtor ou uma declaração emitida por ele ou pela certificadora. Em todos os casos, o comprador pode consultar o Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos no site do Mapa

Lara Aliano/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.