Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Programa cumpre legislação de 2018 ao incentivar convênios voluntários dos municípios com Incra

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou ontem (7) Portaria 26 que traz as diretrizes do Programa Titula Brasil, que tem o objetivo de aumentar a capacidade operacional dos procedimentos de regularização fundiária das áreas rurais sob domínio da União e a titulação dos assentamentos do Programa Nacional de Reforma Agrária por meio de parcerias com municípios.

De acordo com as diretrizes, o programa irá aumentar o alcance e a capacidade operacional da política pública de regularização fundiária, agilizar o procedimento de titulação provisória e definitiva, reduzir o acervo de processos pendentes de análise, garantir maior eficiência e celeridade ao processo e fomentar boas práticas no federalismo cooperativo com os municípios.

Os municípios poderão participar de forma voluntária no programa ao firmarem convênios com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

O presidente do Incra, Geraldo Melo Filho, explica que o programa coloca em prática o que está previsto no Artigo 10 do Decreto 9.309/2018. Segundo o decreto, serviços de campo ligados à regularização fundiária podem ser executados por meio de convênio entre órgãos da administração pública federal e estadual, municipal e distrital, desde que os profissionais sejam habilitados pelo Poder Executivo Federal.

“A medida proposta visa operacionalizar e dar celeridade nos serviços relacionados à regularização, essencial para a segurança dos produtores e para a possibilidade de cobrança quanto à regularização ambiental das áreas”, afirma.

A supervisão e o monitoramento das ações e dos resultados serão feitos pela Secretaria Especial de Assuntos Fundiários (Seaf) do Mapa. “A atividade do município será relativa à instrução e realização de alguns procedimentos, permanecendo a função do Incra na atividade decisória. Desta forma, haverá maior celeridade, mantendo-se a segurança do procedimento, o que se traduz em eficiência”, destaca a Seaf.

O programa será executado pelo Núcleo Municipal de Regularização Fundiária (NMRF), criado a partir da assinatura do termo de parceria entre a prefeitura e o Incra, firmada de forma voluntária por meio de edital de chamamento público. Ao aderir, os municípios serão responsáveis por oferecer os recursos humanos para o núcleo. O Incra será responsável por implementar e coordenar o NMRF e capacitar os recursos humanos disponibilizados pelos municípios para realização dos trabalhos, mas não haverá repasse de recursos às prefeituras.

Nos próximos 60 dias, a regulamentação do programa deverá ser publicada e trará quais processos serão contemplados nos acordos com os munícipios, a qualificação e treinamento necessários, além das exigências previstas em lei para regularização fundiária em glebas, assentamentos e checagem de sobreposição de áreas.

Asimp/Mapa

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.