Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Neste ano, já se constatou maior umidade em algumas regiões agrícolas do país, que receberam chuvas pontuais durante a colheita

Mesmo em safras recordes, como ocorreu em 2020/2021, a qualidade do grão não deve ser negligenciada. A  umidade em excesso provoca avarias no grão e reduz a qualidade, impactando diretamente na comercialização.

Neste ano, já se constata maior umidade nos grãos de soja em algumas regiões agrícolas do Brasil, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que estima uma produção de 134,8 milhões de toneladas.

Dentro do processo de classificação de grãos, a umidade ideal deve estar entre 12% e 14% para garantir qualidade e bons preços, conforme a Instrução Normativa 11/07, do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa).

Quando fica acima desses percentuais, o mercado define o grão pelo termo "ardido", que é aquele que recebe muita chuva e está em processo de fermentação, sendo considerado avariado. Nesses casos, a Instrução Normativa  estabelece o limite máximo de tolerância de avarias em 8%.

De acordo com o economista-chefe da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Daniel Amaral, quando o teor de umidade está fora dos padrões é preciso usar secador e isso reflete no preço, pois o secador consome energia e isso encarece o produto.

É necessário que o grão de soja  esteja dentro do padrão contratual para consumo humano. Outro aspecto observado por ele é que a soja muito úmida pode gerar um farelo com perdas de proteínas solúveis.

De um volume estimado em  134,8 milhões de toneladas de soja colhidas em 2021 no Brasil, a indústria prevê processar 47 milhões de toneladas.

Com uma exportação de 83 milhões de toneladas e um processamento 1,8% maior que o esperado para 2021 após o aumento da mistura obrigatória de biodiesel para 13%, as expectativas da entidade são de mais previsibilidade para o setor ao longo deste ano, já que as previsões de safra recorde estão sendo confirmadas.

Garanta Qualidade - Para garantir a qualidade do grão são necessários alguns cuidados que vão da lavoura à industrialização.

Medir a umidade do grão antes da colheita é o primeiro passo. Com um medidor de controle de umidade de grãos o produtor pode fazer este acompanhamento e evitar eventuais perdas, colhendo o grão no momento certo.

"Hoje, boa parte dos produtores das principais regiões agrícolas, já contam com esses aparelhos em suas propriedades", diz a gerente comercial Manoella Rodrigues da Silva, da empresa paranaense LocSolution, que detém a marca dos aparelhos da fabricante Motomco.

"Após a colheita, a armazenagem é outro ponto de extrema importância para que o grão não perca sua qualidade  e possa atender aos padrões comerciais", afirma Manoella. Esse processo envolve uma sequência de operações como limpeza, secagem, classificação, entre outros, que garantam a conservação da qualidade física e fisiológica dos grãos.

Asimp/LocSolution - Motomco

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.