Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A participação do Paraná na criação de empregos formais no Brasil amentou em 2014. O Estado foi responsável por 10,3% das vagas criadas em todo o país, resultado 2,2 pontos porcentuais maior que o registrado em 2013. 

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, foram criados no Paraná, de janeiro a dezembro do ano passado, 41.012 novos postos de trabalhos com carteira assinada. Do total, 90% foram para o interior do Estado. 

O número é resultado do registro de 1.602.462 admissões e 1.561.450 desligamentos. Com este desempenho, o Paraná ficou na quinta posição no ranking dos estados que mais criaram postos de trabalho com carteira assinada no ano passado. 

DESACELERAÇÃO – Assim como em todo o País, o Paraná também registrou uma desaceleração no ritmo de crescimento de empregos formais em 2014. O crescimento no ano passado foi 54,6% menor que o crescimento verificado em 2013. 

Conforme dados do Caged, a desaceleração no Estado foi menor que a verificada no Brasil, cujo crescimento no número de empregos formais 65% menor que em 2013. 

“A redução do ritmo de crescimento de empregos formais foi generalizada em todo o Brasil e se deve às condições macroeconômicas, à retração da economia”, afirma o diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), Júlio Takeshi Suzuki Junior. 

“O aumento na participação dos empregos do País mostra que a desaceleração do mercado de trabalho foi menos acentuada no Estado”, afirma. 

NO INTERIOR – O presidente do Ipardes também ressalta o desempenho do interior, que ficou com 90% das novas vagas criadas no Paraná, no ano passado. “Esse dado é importante e muito positivo”, afirma Júlio. 

Para a secretária do Trabalho e Desenvolvimento Social em exercício, Letícia Raymundo, o índice é reflexo das políticas públicas voltadas para a redução das desigualdades regionais adotadas pelo Governo do Estado. 

SEGMENTOS - Os segmentos que mais se destacaram positivamente na geração de empregos formais em 2014 foram os de serviços e comércio, com saldos de 32.050 e 13.507 vagas preenchidas, respectivamente. 

A construção civil foi responsável por 3.219 empregos. Por outro lado, a indústria de transformação do Estado eliminou 8.231 vagas, em razão da desfavorável condição do setor manufatureiro brasileiro, que vem contabilizando sucessivos declínios dos níveis de produção. 

Agência de Notícias PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios