Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Os governos do Paraná, da África do Sul, e a Ocepar (Organização das Cooperativas do Paraná) discutiram ontem (05) parcerias na área do agronegócio. Entre os focos estão acelerar as trocas comerciais no setor, especialmente na área de avicultura, suinocultura, açúcar, farelo de soja e fertilizantes. 

O Seminário Paraná – África do Sul sobre Agronegócios - promovido na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba, teve a participação do vice-ministro da Agricultura, Indústria Florestal e Pesca da África do Sul, Bheki Cele; e o embaixador do país no Brasil, Ntsiki Mashimbye. 

De acordo com o presidente da Agência Paraná de Desenvolvimento (APD), Adalberto Netto, o evento faz parte de uma agenda bilateral que começou em dezembro do ano passado. “Além de impulsionar parcerias tecnológicas e na área do agronegócio, o foco também é impulsionar negócios no setor automotivo, de turismo e na área de logística com aquele país. Estamos construindo uma agenda de longo prazo com a África do Sul”, diz. 

A África do Sul ocupa apenas a 24.a posição entre os maiores mercados do Paraná, mas as exportações paranaenses para o País vêm em franco crescimento. De janeiro a abril de 2017 foram US$ 50,24 milhões, 85% mais do que os US$ 27 milhões registrados no mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC). 

“A exportação de frango ocupa 92% da pauta das cooperativas do Paraná para a África do Sul e ainda há espaço para reforçar essa atuação assim como explorar outros mercados. Trata-se de um mercado importante. A África do Sul participa com 50% do poder de compra do continente”, diz Gilson Martins, assessor técnico-econômico da Ocepar. Os sul-africanos têm interesse também em conhecer mais a fundo o sistema cooperativista do Estado. “Um dos objetivos deles é incentivar esse modelo de produção no País”, diz Martins. 

Os participantes da missão sul-africana devem visitar nesta terça-feira (06) a região dos Campos Gerais para conhecer a Alegra, unidade industrial das cooperativas Castrolanda, Frísia e Capal e a fazenda Frankana. 

No próximo ano, uma missão paranaense deve visitar o continente. Além da África do Sul, estão previstas visitas a Botsuana, Zimbábue e Tanzânia. Entre as áreas de interesse do Estado na África do Sul estão a produção vinícola e a tecnologia de produção de alimentos em clima seco, lembra Adalberto Netto, da APD. 

PRESENÇAS - Estiveram presentes no seminário o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken; o secretário estadual do Planejamento, Cylleneo Pessoa Pereira Júnior; o chefe do Departamento de Desenvolvimento Rural Sustentável da Secretaria da Agricultura, Richardson de Souza. 

AGRONEGÓCIO ATRAI MISSÃO SUL-AFRICANA - A vice-governadora Cida Borghetti destacou o interesse do Governo do Paraná em estimular e auxiliar as parcerias, inclusive com cooperativas e empresas privadas. “O agronegócio é uma das grandes forças da economia paranaense, abrigamos as duas maiores cooperativas do país, a Cocamar, em Maringá; e a Coamo, em Campo Mourão. A cadeia produtiva também se destaca com a piscicultura que vem se desenvolvendo a cada ano”, afirmou. 

Cida Borghetti recebeu, no Palácio Iguaçu, o embaixador da África do Sul no Brasil, Ntiski Mashimbye, acompanhado do vice-ministro da Agricultura, Indústria Florestal e Pesca, Bheki Cele; e do governador da província sul-africana do Noroeste, Supra Mahumapelo. 

O vice-ministro Bheki Cele explicou que veio ao Paraná buscar bons exemplos de negócios. “Temos interesse em desenvolver parcerias nos setores de agricultura, floresta e pesca. Além disso, buscamos modelos em cooperativas”, disse. Durante o encontro, também foi sinalizado o interesse da comitiva sul-africana em fortalecer os laços com o Paraná nas áreas de turismo, cultura e educação.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios