Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Viveiristas interessados em investir em nicho de mercado de pessegueiros devem ficar atentos à oportunidade de parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Em setembro, além de abrir edital de licenciamento para produção e comercialização de mudas da primeira cultivar nacional de pêssego platicarpa, de formato achatado, a Embrapa Produtos e Mercado (Brasília/DF) realiza o I Workshop de Nichos de Mercado para o Setor Agroindustrial, nos dias 23 e 24, em Campinas/SP.

Até agora os frutos do tipo platicarpa que abastecem o varejo local chegam principalmente da Europa e Estados Unidos, mas o produtor brasileiro também poderá investir no segmento. A abertura do processo de oferta de material propagativo e licenciamento está prevista para a segunda quinzena de setembro, com divulgação pelo endereço: http://spm.sede.embrapa.br/licitacao/

As pesquisas da Embrapa com a fruta platicarpa já tem 20 anos, metade dos quais foram dedicados especificamente à nova cultivar de pêssego chato apropriado às condições locais de cultivo, conforme explica a pesquisadora Maria do Carmo Raseira. Ela integra a equipe da Embrapa Clima Temperado, localizada em Pelotas/RS, e liderou o desenvolvimento da novidade batizada de BRS Mandinho.

Criança, menino, piá são significados do nome, sugerido pelo tamanho pequeno a médio do fruto (cinco centímetros de diâmetro contra os cerca de sete das frutas importadas), que apresenta caroços de dimensões proporcionalmente pequenos. Em termos de mercado, o ganho representado pela cultivar é a viabilidade da produção do pêssego platicarpa em campos brasileiros, a partir de sua adaptação para cultivo em regiões com menos de 150 horas de frio no inverno, maturação na segunda quinzena de novembro e com produtividade atrativa (14 toneladas/ha, em pomar adulto).

O agrônomo da Embrapa Produtos e Mercado, Ciro Scaranari, ressalta que também foram atendidos os quesitos aparência e sabor, exigidos pelos consumidores. A doçura dos frutos, de polpa firme e cor amarela, se sobressai à leve acidez apresentada, conforme avaliações positivas nas regiões testadas dos estados de Santa Catarina (Urussanga e Pedras Grandes), Paraná (Araucária), São Paulo (Jarinu e Paranapanema), Minas Gerais (Barbacena) e Espírito Santo (Domingos Martins).

Embora destinada ao público em geral, a cultivar tem apelo especial para as crianças pelo formato tipo bolachinha. A BRS Mandinho, cujo lançamento acontecerá em Dia de Campo por ocasião da colheita das frutas em novembro deste ano, será apresentada por Raseira aos participantes do VI Simpósio Internacional de fruticultura temperada em Região Subtropical, a ser realizado dia 11 de setembro próximo, em Avaré/SP. Mudas da cultivar deverão estar disponíveis a partir de julho de 2015 junto aos viveiristas que forem licenciados e serão cadastrados na página de cultivares da Embrapa (http://www.snt.embrapa.br/produtos/index/). Nos supermercados a novidade começa a chegar somente em 2017, quando as primeiras mudas devem iniciar a produção de frutos.

De acordo com a pesquisadora Ana Paula Vaz, da Embrapa Produtos e Mercado, o atendimento a nichos de mercado em fruticultura comumente se dá dar por meio da agregação de valor em termos de sabor, aparência e apresentação. A vida útil do produto é também preocupação num mercado que lida com material perecível e dependente da boa apresentação do produto para assegurar-lhe vantagem competitiva, diz Vaz.

As inovações destinadas a prolongar o tempo de prateleira das frutas vão desde o campo, com cultivares portadoras desta característica, às embalagens que assegurem a aparência adequada do fruto até a mesa do consumidor final. No caso da nova cultivar de pêssego, de formato diferenciado e destinada a público que busca essa especificidade, a pesquisa oferece a fruticultores locais a oportunidade de explorarem o nicho de mercado consolidado por produtores estrangeiros e ainda sem concorrentes na região sul americana.

Workshop

A fruticultura será um dos destaques no I Workshop de Nichos de Mercado para o Setor Agroindustrial. O evento será realizado pela Embrapa nos dias 23 e 24 de setembro em Campinas/SP, no Centro de Convenções da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O Workshop é uma realização da Embrapa Produtos e Mercado e conta com o apoio do Departamento de Transferência de Tecnologia (DTT) da Embrapa e da Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Unicamp.

O objetivo do evento é levar ao setor produtivo a oportunidade de, ao lado de representantes da pesquisa agropecuária e instituições públicas de fomento, debater temas relacionados à valorização de mercados específicos, que ao serem explorados podem conferir competitividade ao empreendedor. A programação prevê palestras e debates após a apresentação de estudos de caso como o que será apresentado, na manhã do dia 24, pelo produtor Luis Galhardo, da Agrocinco, que abordará as alternativas para esses mercados. A empresa é parceira da Embrapa na produção e multiplicação de material propagativo de hortaliças e frutas.

Além de inovações no setor de fruticultura, o Workshop focalizará também os segmentos de flores, plantas ornamentais e medicinais, bem como produtos da caprinovinocultura, hortaliças e, ainda, os orgânicos e a indústria têxtil, por meio do algodão naturalmente colorido. O Workshop conta com o patrocínio de Agrocinco, Arysta, Banco do Brasil e Pepsico.

Entre os parceiros estão: as instituições Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Associação Brasileira de Santa Inês (ABSI), Mapa, Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Pró-reitoria de Pesquisa da Unicamp, e as empresas Caprilat, Cava Cordeiro, CentroFlora, Ceagesp, FarmPoint, Grupo Horta, Guaiuba Agropecuária, Ícone, Jasmine Alimentos, Natural Cotton Color, Ouro Fino, Produtos Yamaguishi e Scot Consultoria.

Valéria Costa/Asimp/Embrapa

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios