Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A estação marca o início do plantio de grãos, principalmente soja, milho e feijão

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou ontem (21) o “Prognóstico Climático da Primavera 2021", com foco na semeadura de grãos e nas regiões das bacias hidrográficas. Durante a apresentação, transmitida no canal do Youtube do Inmet, produtores, investidores e seguradoras puderam ter mais informações da estação para o plantio em 2021.

Ao participar do evento, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, destacou que os dados meteorológicos são importante ferramenta para auxiliar na redução de danos nas lavouras. “Trata-se de ação voltada para atenuar os impactos das alterações climáticas, que causam escassez de insumos para produção, causando problemas financeiros para os nossos agricultores. Enquanto órgão federal preocupado com o bem-estar do povo brasileiro, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento reitera a importância da atenção dos produtores rurais às épocas corretas do plantio e cultura de grãos e hortaliças”.

O diretor do Inmet e representante permanente do Brasil junto à Organização Mundial de Meteorologia, Miguel Ivan de Oliveira, afirmou que a divulgação dos dados integra um novo modelo de comunicação, implantado em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). “Se o problema é saber que horas vai poder plantar ou colher, a gente vai entregar uma solução. E a gente está fazendo isso baseado numa construção de liderança”.

A parceria entre as instituições foi ressaltada pelo coordenador-geral de Ciências da Terra do Inpe, Gilvan Sampaio. “Isso significa um salto gigantesco da meteorologia nacional, porque permite avançarmos muito no desenvolvimento de novos produtos e nós sabemos que ninguém conhece melhor a meteorologia do nosso país do que os nossos meteorologistas e as pessoas que trabalham aqui. Então, ao trabalharmos com modelos que são desenvolvidos aqui no Brasil, que são aprimorados por pesquisadores e cientistas brasileiros, nós vamos, sem dúvida nenhuma, ter uma melhor representação de todos os biomas brasileiros, e isso significa ter um ganho efetivo na qualidade da previsão de tempo e de clima”.

Primavera 2021

A Primavera no Brasil começa nesta quarta-feira (22), às 16h21, e termina no dia 21 de dezembro, às 12h59. É um período de transição entre as estações seca e chuvosa na região central do Brasil, com o início da convergência de umidade vinda da Amazônia, que define a qualidade do período chuvoso sobre as regiões Centro-Oeste, Sudeste e parte do centro-sul da Região Norte.

Dados do IRI (Research Institute for Climate and Society), apresentados pela coordenadora-geral de Meteorologia Aplicada, Desenvolvimento e Pesquisa do Inmet, Márcia Seabra, apontam para a probabilidade, acima de 70%, de ocorrência do La Niña na primavera de 2021. “O que a gente está prevendo é um fenômeno La Niña durante a primavera até o verão, mas deve ser de curta duração e ter intensidade fraca”, disse.

Caso ocorra o fenômeno, a tendência é que a incidência de chuvas seja abaixo da média na Região Sul do país e um pouco acima da média na parte Sudeste e Central do Brasil.

Chuvas e temperatura

O prognóstico de chuva e temperatura para a primavera, no trimestre de outubro, novembro e dezembro, indica precipitação acima e próxima da média no Centro-Norte do Brasil, com irregularidades das chuvas nos meses de outubro e dezembro.

Para a Região Sul do país e sul do Mato Grosso e de São Paulo, a previsão é de chuva abaixo da média, principalmente nos meses de outubro e novembro.  

A temperatura deve ficar acima e dentro da faixa normal em grande parte do Brasil durante todo o trimestre, principalmente na região do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

Os dados apontam, ainda, a tendência de temperatura ligeiramente abaixo da média em áreas da Região Sudeste e no leste da Bahia no mês de novembro e no estado do Amazonas em dezembro.

Agricultura

A chegada da primavera marca o início do plantio de grãos, principalmente soja, milho e feijão, nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, com destaque para o Matopiba.

“Algumas áreas dessas regiões, de acordo com o zoneamento agrícola, já estão aptas a plantar a soja. Algumas começaram no dia 13 de setembro, outras no dia 16 e algumas começam a partir do dia 25, mas a gente viu que as chuvas ainda não estão normalizadas. De qualquer forma, essa janela de plantio, de acordo com o zoneamento agrícola, já está aberta em algumas áreas”, destacou a coordenadora-geral de Meteorologia Aplicada, Desenvolvimento e Pesquisa do Inmet.

Histórico da primavera no Brasil 

Durante o evento foi apresentada a variação climática da primavera no Brasil nos últimos 60 anos. De 1961 até 2020, observa-se uma diminuição média de 28 milímetros de chuva no país durante a estação. As duas regiões que mais influenciaram nesse resultado foram Centro-Oeste (-46,29 mm) e o Sudeste (-59,10 mm), onde se observaram maior diminuição de chuvas no período.

O levantamento aponta, ainda, que, em todas as regiões do país, existe tendência significativa de elevação da temperatura durante a primavera. No Norte, a tendência é de 1,5°C acima da média; no Nordeste de 1,28°C; no Centro-Oeste de 1,75°C; no Sudeste de 1,35°C; e na Região Sul de 1,39°C. No Brasil, a variação total foi de 1,41°C.

“O papel da meteorologia se mostra cada vez mais importante para todas as atividades econômicas do Brasil, porque o aquecimento, as mudanças, as variações já estão acontecendo no país e no mundo. Cada vez mais, a gente precisa entender o comportamento das variáveis meteorológicas para conseguir com que a sociedade e as atividades econômicas trabalhem com esses cenários e impactos”, afirmou Márcia Seabra.

Adriana Rodrigues/Ascom
 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.