Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Cultura é produzida em todo o país e tem ampla gama de usos, que vai além do setor alimentício

Foram publicadas ontem (12), no Diário Oficial da União, as portarias com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para a cultura da mandioca. Essa importante planta perene e tropical, que pertence à família botânica das Euforbiáceas, é cultivada nas mais variadas condições edafoclimáticas e em altitudes que variam do nível do mar a mais de 2 mil metros. Todas as unidades da Federação foram contempladas no novo estudo de Zarc.

A estimativa de área foi de 1,28 milhão de hectares para a produção de mandioca, de 19,4 milhões de toneladas, correspondente a crescimento de 1,9% em relação ao ano anterior, conforme dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola do IBGE, de janeiro de 2020. A cultura é plantada em todo o país. Os estados produtores com maior destaque são: Pará, Paraná, São Paulo, Amazonas, Acre, Bahia, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul.

Os novos estudos de Zarc para a mandioca classificam os riscos de produção conforme as condições térmicas e hídricas essenciais ao estabelecimento, enraizamento e ganho inicial de matéria seca nas raízes. Também foram considerados no modelo agroclimático as categorias de solo, conforme a capacidade de retenção de água associada a textura, e os materiais genéticos para propagação.

Para obter ganhos de produtividade e tornar a atividade mais rentável, além de seguir o calendário de plantio do Zarc, o produtor deve utilizar materiais propagativos indicados para cada região, realizar o manejo adequado do solo e aplicar práticas culturais que venham a tornar o cultivo da mandioca mais sustentável.

O diretor do Departamento de Gestão de Riscos, Pedro Loyola, destaca que o cultivo da mandioca é uma das atividades mais antigas e tradicionais no país. No caso da agricultura familiar, é uma importante cultura de subsistência, sendo fonte alimentar principalmente nas regiões Norte e Nordeste.

Originária da América do Sul, a mandioca (Manihot esculenta Crantz), também conhecida como macaxeira e aipim, constitui um dos principais alimentos energéticos para mais de 700 milhões de pessoas no mundo, principalmente nos países em desenvolvimento. Mais de 100 países produzem mandioca, sendo que o Brasil participa com 10% da produção mundial (é o segundo maior produtor do mundo).

De fácil adaptação, a mandioca é cultivada em todos os estados brasileiros, situando-se entre os oito principais produtos agrícolas do país, segundo dados da Embrapa Mandioca e Fruticultura.

Para que serve o Zarc?

O zoneamento tem o objetivo de reduzir os riscos relacionados aos problemas climáticos e permite ao produtor identificar a melhor época para plantar, levando em conta a região do país, a cultura e os diferentes tipos de solos.

O sistema considera elementos que influenciam diretamente no desenvolvimento da produção agrícola como temperatura, chuvas, umidade relativa do ar, ocorrência de geadas, água disponível nos solos, demanda hídrica das culturas e elementos geográficos (altitude, latitude e longitude). Os agricultores são obrigados a seguir as indicações do Zarc para se enquadrarem nas operações de crédito rural no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), e para acessar o Programa de Seguro Rural (PSR) do Mapa.

O Zarc foi publicado pela primeira vez na safra de 1996 para o trigo. Hoje, contempla os 26 Estados e o Distrito Federal, incluindo mais de 40 culturas.

Aplicativo Plantio Certo

Produtores rurais e outros agentes do agronegócio poderão acessar por meio de tablets e smartphones, de forma mais prática, as informações oficiais do Zarc. O aplicativo móvel Zarc Plantio Certo, desenvolvido pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas/SP), está disponível no sistema Android.

Asimp/Mapa

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.