Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Começa nesta terça-feira, dia 21, o Superagro, maior evento de difusão de tecnologia da região, promovido pela Agro100 e outras 60 empresas fornecedoras de fertilizantes, agroquímicos, agrobiológicos, máquinas, equipamentos, veículos, soluções tecnológicas e negócios.

Durante os três dias do evento (21, 22 e 23) são esperados mais de 5 mil produtores vindos de 200 municípios do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, onde a empresa tem 43 filiais.

Segundo Marcelo Côrtes, responsável pela realização do evento, os produtores vão encontrar no Superagro 2020 o que existe de mais avançado para implantação e condução das lavouras. “No circuito tecnológico, primeira atividade dos visitantes, os produtores vão poder constatar a eficiências das principais cultivares de soja, inclusive os lançamentos para a próxima safra, a eficiência dos agroquímicos, fertilizantes e promotores de crescimento. E as principais indústrias destes produtos estarão com seus pesquisadores e técnicos estarão lá dando palestras e respondendo às perguntas dos produtores, além de máquinas, veículos e equipamentos de última geração”.

A agricultura 4.0, que está informatizando todo o sistema de produção, controle e acompanhamento dos resultados das atividades nas propriedades rurais também está no foco do Superagro 2020. Além de empresas reconhecidas como Geodata, Climate Wiew, 10 startups estarão presentes no evento mostrando o que existe de mais avançado para a informatização da atividade do produtor rural. Durante o evento o produtor pode até mesmo adquirir uma estação meteorológica portátil que em tempo real recebe e transmite todas as informações necessárias para melhoria nos processos da agricultura, como chuva, direção e velocidade do vento, temperatura, unidade do ar e do solo, índices de UV, luminosidade e pressão atmosférica.

Na sua Central de Negócios, Superagro vai oferecer ótimas oportunidades como o sistema de troca (barter) de todos os insumos para o plantio da safra de verão (2020/2021) que será plantada a partir de setembro, pela produção a ser colhida. Esse sistema traz segurança ao produtor que já sabe de antemão quantas sacas de soja ou milho lhe custará a próxima safra com a garantia de que mesmo com possíveis oscilações do dólar ou do índice inflacionário seus custos estarão pré-fixados.

Nilson Herrero/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios