Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Trigo de Origem surgiu para a produção de pães artesanais e tem potencial para se tornar uma Indicação Geográfica. Iniciativa recebe auxílio do Sebrae/PR

 “O Paraná tem a vocação para produzir trigo. Temos profissionais capacitados e um produto que não deve nada às principais farinhas do mundo”. A frase de Divanildo Carvalho Junior, diretor-executivo da Trilhas do Trigo, evidencia a preocupação com a qualidade da produção da farinha de trigo. Desde o ano passado, o estado do Paraná, maior produtor de trigo do Brasil, tem ganhado notoriedade com o projeto Trigo de Origem, capitaneado pela Moageira Irati, empresa da região central do estado, e que envolve uma cadeia completa de profissionais, de produtores rurais a padeiros artesanais de Curitiba e região metropolitana.

O reconhecimento ultrapassou as fronteiras brasileiras. Em novembro, recebeu o segundo lugar na categoria ingrediente mais inovador da FI Innovation Awards Pocket 2020. O Trigo de Origem deixou para trás outros 19 ingredientes e, pela primeira vez, uma farinha recebeu esse reconhecimento.

O projeto recebe apoio do Sebrae/PR, por meio do trabalho no Fórum Origens Paraná, que visa o desenvolvimento e o estímulo às Indicações Geográficas (IGs) e Marcas Coletivas. A farinha do já passou por um diagnóstico e está entre os produtos identificados pelo Sebrae com potencial de se tornarem IGs. A coordenadora estadual de agronegócios do Sebrae/PR, Maria Isabel Guimarães, destaca alguns diferenciais do produto.

 “O Trigo de Origem inclui uma matéria prima melhorada, um trabalho de pesquisa e uma produção diferenciada. Além disso, ele valoriza todos os profissionais da cadeia de produção e entrega aos consumidores um produto de grande qualidade e que pode ser comparado às principais farinhas do mundo”, destaca.

O produto

O alimento possui um trabalho pioneiro na produção do trigo segregado, ou seja, de um cultivo separado de cada tipo de trigo de acordo com a sua finalidade culinária. Buscando um produto da maior qualidade, a Moageira Irati, em parceria com padeiros artesanais, produtores rurais e outros profissionais da cadeia produtiva, iniciou um trabalho que passou pela escolha das sementes, pela investigação de cultivares, lotes de trigo e protocolos de moagem e na escolha de produtores rurais que seguiriam as especificidades estabelecidas para os pães de fermentação natural. As farinhas produzidas também passaram por testes de absorção de água, maquinabilidade, tolerância à fermentação e outros parâmetros técnicos até chegar ao padrão ideal.

“Nosso trabalho foi conciliar interesses dos produtores rurais e dos padeiros artesanais em um único projeto. O trigo valoriza os produtores rurais que seguem as especificações técnicas e fazem a segregação dos cultivares para cada tipo de trigo produzido. Quando você segrega o trigo para o pão artesanal, por exemplo, dos demais tipos utilizados para outros produtos como biscoitos ou bolos, o resultado é uma farinha de alta qualidade muito desejada pelos padeiros artesanais”, afirma Divanildo.

A farinha do Trigo de Origem é ideal para pães e outros produtos de fabricação artesanal. Crédito: Antonio More

O produtor do Trigo de Origem também deve seguir especificidades e rígidos padrões técnicos, que passam por uma análise rigorosa que vão da qualidade da semente e cuidado com o solo e com a lavoura até a qualidade do trigo colhido. A farinha só é declarada trigo de origem se atender a todos os parâmetros. Os produtores são certificados pela própria Moageira Irati e na sequência passam pelas análises dos aplicadores, que incluem os padeiros artesanais. Com a criação de novas farinhas, pizzaiolos e viennoiseries (produtores de croissants, brioches e panetones), também passaram a fazer parte da análise.

Além da farinha para pão artesanal e de grão integral, novos produtos foram lançados nesse ano, como a farinha destinada para pães rústicos, com alto teor de fibra, a farinha para pizzas artesanais e para viennoiseries (usada no preparo de croissants, brioches e panetones).

Valor no campo

São mais de 2 mil produtores rurais envolvidos com a produção das farinhas. Entre eles está Guilherme Garmatter, de Palmeira. Por serem fornecedores de trigo para a Moageira Irati há anos, foi convidado a participar do projeto Trigo de Origem. Segundo ele, o processo de produção desse trigo é bem rigoroso, já que leva em conta fatores muito específicos em relação à nutrição das plantas, adubação, fertilidade do solo, os cuidados com a cultura, além da colheita, segregação dos grãos e análise por parte da moageira em laboratório. Ele afirma que a própria moageira acompanha o cultivo em tempo real e realiza visitas frequentes, além de já ter recebido os próprios padeiros artesanais para conhecer a lavoura.

Guilherme lembra que o trigo possui uma cultura típica de países com climas mais frios, mas que os processos de produção paranaenses compensam as adversidades. “Nosso trigo é uma das culturas mais técnicas em termos agronômicos. Ele passa por um trabalho de melhoramento genético, de tecnologia e qualidade industrial que compensam o clima quente e, dessa forma, tornam nosso trigo com qualidade comparável à de qualquer país do mundo. É muito satisfatório ter um produto desse nível”, explica o produtor, ressaltando que acredita no potencial de crescimento do projeto Trigo de Origem.

“Estamos investindo na qualidade do produto. Ainda é um projeto novo e acreditamos que tem um grande potencial de crescimento, o que vai nos permitir ter margens maiores de lucro”, pondera Guilherme.

Mais de 2 mil produtores estão envolvidos com a produção do Trigo de Origem. Crédito: Antonio More

Divanildo reforça o potencial de crescimento com números. O projeto, que começou com a participação de 20 padeiros artesanais, hoje já envolve mais de 100 profissionais em estabelecimentos de diversos estados do Brasil, incluindo nas regiões Sudeste e Nordeste. Também houve a procura por parte do consumidor final e a criação de pacotes de um quilo para consumo doméstico. “A pandemia também impulsionou o consumo de pães e produtos artesanais e muitas pessoas também procuraram pela farinha para reproduzir as receitas em suas próprias casas”, ressalta.

O especialista explica ainda que o projeto é o início de um movimento de valorização do trigo local e que tende a se influenciar na qualidade dos produtos de padarias convencionais no país.

Asimp/Sebrae/PR

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.