Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Pesquisadores da Embrapa empregaram novas metodologias, considerando novos fatores de risco associando questões hídricas, térmicas e fitossanitárias

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou nesta quarta-feira (16) as Portarias de Nº 176 202, que atualizam o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para a cultura do girassol no Brasil. O Zarc é uma ferramenta de análise do risco derivado da variabilidade climática e que considera as características da cultura e do solo.

“No caso do girassol, definimos as áreas e os períodos de semeadura para o seu cultivo com probabilidades de perdas de rendimento inferiores a 20%, 30% e 40%, devido à ocorrência de eventos meteorológicos adversos”, explica o pesquisador José Renato Bouças Farias, da Embrapa Soja. 

Os estudos para o desenvolvimento da nova versão do Zarc para o girassol foram iniciados em 2020 e validados em reuniões realizadas junto aos principais atores da cadeia produtiva do girassol em maio de 2021. Para a atualização do Zarc, pesquisadores da Embrapa empregaram novas metodologias, ampliando o zoneamento de risco climático do girassol para todo o Brasil. Novos fatores de risco foram considerados, associando questões hídricas, térmicas e fitossanitárias.

“Foi ainda introduzida a nova metodologia de abordagem dos riscos associados à água disponível no solo, deixando-o pronto para incorporar os novos conceitos de manejo do solo e dos sistemas produtivos a serem associados ao risco climático nos futuros trabalhos de zoneamento”, explica Farias.

De acordo com o pesquisador, o girassol é pouco influenciado pelas variações de latitude e de altitude, apresenta tolerância a baixas temperaturas e é relativamente resistente à seca. Com relação às necessidades de água para o cultivo do girassol, Farias afirma que o ideal seria em torno de 500 a 700 mm de água disponível, bem distribuídos ao longo do ciclo. “As fases mais sensíveis ao déficit hídrico ocorrem durante a semeadura e a emergência das plantas e, principalmente, do início da formação do capítulo ao começo da floração seguida da formação e enchimento de grãos”, destaca Farias.

Outro fator considerado como um dos parâmetros no Zarc foi a associação das condições climáticas ao risco fitossanitário, uma vez que o clima pode ou não favorecer o desenvolvimento de importantes doenças e de difícil controle. A podridão branca, causada pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum, por exemplo, está associada às condições frias e úmidas. Por outro lado, a mancha de alternaria, causada pelo fungo Alternaria helianthi, é decorrente de altas temperaturas e chuvas excessivas. “Nosso estudo procurou, também, delimitar as áreas e identificar os períodos de menor risco climático para a ocorrência de problemas fitossanitários e, assim, favorecer a exploração da cultura do girassol no Brasil”, destaca. 

Base de dados

A base de dados meteorológicos utilizadas na atualização do Zarc é composta por séries históricas de aproximadamente 30 anos, obtidas a partir das redes de estações terrestres, meteorológicas e pluviométricas, convencionais e automáticas, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), do sistema HidroWeb, operado pela Agência Nacional de Águas, e aquelas pertencentes ao Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE), além de redes estaduais mantidas por instituições ou empresas públicas.

“As séries de chuva reunidas e com períodos de dados a partir de 1980, passaram por teste de homogeneidade e análise de consistência e contemplam cerca de 3.500 pontos de dados distribuídos no território nacional”, explica. “Os dados de temperatura máxima e mínima utilizados são provenientes da base gerada por interpolação a partir de 735 estações meteorológicas”, afirma Farias.

Cultura do girassol 

O girassol pode ser cultivado desde o Rio Grande do Sul até Roraima. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a área cultivada no Brasil em 2021 seja de 31,5 mil ha, sendo 70% realizada no estado de Goiás (cerca de 20 mil ha), seguida de Mato Grosso (8,5 mil ha), Rio Grande do Sul (1,5 mil ha), Minas Gerais (800 ha) e Distrito Federal (700 ha).

Apesar dos diversos usos do girassol e do potencial da cultura como componente de sistemas de produção diversificados e rentáveis, Farias explica que a variabilidade na disponibilidade hídrica é a principal limitação à expressão do potencial de rendimento do girassol no Brasil.

Zarc

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático tem o objetivo de reduzir os riscos relacionados aos problemas climáticos e permite ao produtor identificar a melhor época para plantar, levando em conta a região do país, a cultura e os diferentes tipos de solos. O modelo agrometeorológico considera elementos que influenciam diretamente no desenvolvimento da produção agrícola como temperatura, chuvas, umidade relativa do ar, ocorrência de geadas, água disponível nos solos, demanda hídrica das culturas e elementos geográficos (altitude, latitude e longitude). 

Os agricultores que seguem as recomendações do Zarc estão menos sujeitos aos riscos climáticos e ainda poderão ser beneficiados pelo Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e pelo Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR). Além disso, muitos agentes financeiros só liberam o crédito rural para cultivos em áreas zoneadas. 

 Ouça o áudio do Mapacast que explica o funcionamento e a importância do Zarc 

Aplicativo Plantio Certo 

Produtores rurais e outros agentes do agronegócio podem acessar por meio de tablets e smartphones, de forma mais prática, as informações oficiais do Zarc, facilitando a orientação quanto aos programas de política agrícola do governo federal. O aplicativo móvel Zarc Plantio Certo, desenvolvido pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas/SP), está disponível nas lojas de aplicativos:  iOS e Android  

Os resultados do Zarc também podem ser consultados e baixados por meio da plataforma  “Painel de Indicação de Riscos”  e nas portarias de Zarc por estado. 

Asimp/Mapa

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.