Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A cana-de-açúcar, primeira grande riqueza agroindustrial do País, foi a protagonista de um ciclo histórico marcante, entre as metades dos séculos 16 e 18. Durante mais de 200 anos, no Brasil Colônia, constituiu a base da economia, com produção concentrada no Nordeste. Paulatinamente, a cultura foi reencontrando sua origem como atividade estratégica. Volta a crescer na região na qual chegou, está presente em todo o território nacional e contribui de modo significativo para o superávit de nossa balança comercial e para a transição da matriz energética do carbono à renovável e sustentável.

A cana foi introduzida no Brasil há 505 anos, em 1516, na Ilha de Itamaracá, em Pernambuco. Está presente, portanto, deste o início de nossa História depois do Descobrimento. Hoje, é uma atividade agrícola nacional, com lavouras em todo o País. Embora o Sudeste seja atualmente o principal produtor, nota-se um novo movimento de fomento no Nordeste. Esta região é uma das que apresentam estimativa de crescimento no primeiro levantamento da safra 2021/2022 da Companhia Brasileira de Abastecimento (Conab). Terá queda de 0,5% na área plantada, mas expansão de 3,5% na produtividade e 2,7% na produção, totalizando 49,7 milhões de toneladas.

O exemplo dos produtores nordestinos demonstra como a incorporação de tecnologia está contribuindo para o aumento da produtividade da cana-de-açúcar, com a utilização de menos áreas plantadas. No Brasil, maior produtor mundial, a agroindústria sucroalcooleira, diferentemente do que ocorre nos demais países, opera numa conjuntura positiva e sustentável e conseguiu manter-se muito dinâmica durante a pandemia da Covid-19.

Na safra 2021/2022, em termos gerais, a Conab espera uma redução de 4% na produção em relação à temporada anterior, queda provocada pelas oscilações climáticas deste ano e redução da área plantada. Mesmo assim, deveremos colher 628,13 milhões de toneladas, o suficiente para que fabriquemos 38,9 milhões de toneladas de açúcar (5,7% a menos) e 27 bilhões de litros de etanol (queda de 9,1%). Apesar dessas oscilações, continuamos sendo protagonistas e fornecedores indispensáveis para o mercado sucroalcooleiro global.

Estudo do Departamento do Agronegócio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Deagro/Fiesp) mostra que o mundo demandará cada vez mais nosso açúcar e nosso etanol. Por isso, o relatório projeta que, na safra 2023/2024, haverá necessidade de o País atingir área plantada de 10,5 milhões de hectares e um esmagamento de cana-de-açúcar de 862 milhões de toneladas, para responder ao crescimento do consumo e das exportações. Cinco séculos depois de chegar ao Nordeste, a cultura une o Brasil, estando presente em todo o nosso território. E, como no seu primeiro ciclo histórico, desempenha papel decisivo na economia nacional.

João Guilherme Sabino Ometto é engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - EESC/USP), empresário e membro da Academia Nacional de Agricultura (ANA).

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.