Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A prisão dos cinco engenheiros que atestaram a segurança da barragem que desmoronou em Brumadinho (MG), por mais severa que seja, é prova de mudança neste país, onde a impunidade é endêmica. Além de servir para esclarecer o acidente, a medida funcionará como um alerta aos que, em razão de sua formação profissional ou dever funcional, fazem inspeções e liberam ocupação de imóveis, funcionamento de estabelecimentos ou oficializam o estado de saúde dos indivíduos considerando-os aptos ou não para o trabalho e diferentes atos da vida civil. Portadores de fé pública, os consultores técnicos ou agentes de órgãos oficiais têm de responder inteiramente por aquilo que atestam, inclusive dando conta de acidentes e outras intercorrências que seu atestado ensejou. No caso, quem atestou a segurança da barragem responde solidariamente com os operadores pelas mais de 300 vítimas, danos ambientais e outros.

A leniência que os falsos democratas da Nova República impingiram à Nação nos trouxe ao atual quadro de degradação e crise. Tudo foi tratado com viés ideológico e o claro objetivo de, em vez de cidadão, tornar o indivíduo militante de causas que nem sempre objetivavam o bem geral. Com isso, as leis foram enfraquecidas, a punição abrandada, os crimes de toda ordem aumentaram e as facções do crime organizado floresceram. O Estado pereceu frente aos interesses de grupos. Para fiscalizar 790 barragens de rejeitos minerais, existem apenas 35 fiscais. É pouco, mas, num Estado organizado, não haveria necessidade nem dos 35. Bastaria que cada empresa respondesse pela regularidade de sua operação, auditando os serviços para mantê-los dentro das normas, que devem ser rígidas. É aquelas que negligenciassem, bem como seus agentes técnicos de controle, responderem civil e criminalmente, inclusive com o patrimônio pessoal, pelos danos causado. Ao Estado deve caber apenas a normatização e regulação; a manutenção do negócio nos parâmetros tem de ser do operador, sob pena de não a fazendo, sofrer punições que possam até inviabilizar sua continuidade no negócio.

O presidente Bolsonaro foi eleito com a proposta de mudança. O acidente de Minas Gerais – o segundo em três anos – enseja o endurecimento com a incompetência, o desvio de finalidade e a leniência. É preciso uma ampla revisão na atuação das agências reguladoras dos diferentes setores e a celeridade na apuração dos eventos que fogem à rotina. Democracia não é a fraqueza do Estado perante os poderosos como se tem visto por anos a fio, mas a fortaleza das instituições para todos terem acesso aos direitos e ao resultado do progresso econômico e  social. Atestado falso ou imperito agora será coisa do passado, assim esperamos...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.