Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Chama a atenção o aumento do número de mortes de ciclistas no trânsito da cidade de São Paulo. Saltou de 22 em 2018 para 36 em 2019, uma elevação de 63,6%. Especialistas e usuários atribuem o fenômeno, entre outras coisas, à falta de educação e treinamento do ciclista para conviver com os demais modais de circulação urbana e, também, ao aumento do número de bicicletas empregadas nos serviços de entregas.

A falta de educação para a convivência pacífica entre ciclistas, motoristas e pedestres é flagrante. O incauto ciclista não se sente na obrigação de cumprir normas de circulação e trafega com sua "bike" na contramão, sobre calçadas e muitas vezes em disputa acintosa do espaço com carros, ônibus, caminhões, motos e pessoas. A relação é caótica e permeada de desentendimentos que chegam a resultar em acidentes e até mortes. A estatística do Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito) cita também o aumento das mortes de pedestres e de vítimas fatais em acidentes de caminhão e ônibus entre um ano e o outro. Já as mortes de motociclistas diminuíram e a causa pode estar nas campanhas e fiscalizações a que são submetidos.

Diferente das localidades européias que inspiraram a reintrodução da bicicleta como meio de transporte da população, São Paulo e a maioria das cidades brasileiras de grande e médio porte desenvolveram-se sob a ótica de transportar sua população em veículos motorizados. A bicicleta, por muito tempo, foi considerada veículo do período pré-desenvolvimento industrial e reservado ao lazer, condicionamento físico ou locomoção periférica. Tanto que seu uso é liberado a todos, sem a exigência de habilitação ou conhecimento de regras de circulação. É tudo tão simplório que as autoridades de trânsito têm dificuldade para fiscalizar e punir as infrações cometidas pelos ciclistas.

São Paulo assumiu o risco de incentivar a bicicleta como meio de transporte urbano. Tanto que já possui 310 quilômetros de ciclovias e o Plano Cicloviário lançado pela prefeitura em dezembro último prevê reformá-los e implantar outros 173 quilômetros. Mas não basta delimitar as vias e nelas soltar o ciclista sem qualquer orientação, normas a cumprir e, principalmente, a certeza de que será punido quando desrespeitar as regras estabelecidas. Isso deve valer para São Paulo e todas as localidades que admitiram a bicicleta na sua matriz de transporte.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.