Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Mesmo com a baixa no número de mortes, a pandemia da Covid-19 ainda preocupa. Especialmente porque ainda não temos vacina comprovadamente eficaz e nem sabemos quando será possível imunizar a população. O coronavírus continua solto e infectando. Daí a necessidade de se adotar precauções como o uso da mascara, o não aglomerar e manter o distanciamento entre as pessoas, pois não conseguimos saber quem está e quem não está impregnado pelo mal. O aumento das internações, especialmente em hospitais privados, leva a especulações de que estaríamos entrando numa segunda fase da pandemia, como a que ocorre na Europa. É bom lembrar que na Europa hoje é inverno e aqui vivemos a estação quente do ano, uma situação inversa que, pelo menos no aspecto ambiental, não autoriza a pensar que a pandemia volta a se agravar.

O fundamental, no entanto, é que não se repita a politização ocorrida quando da chegada do vírus. A tendência é que isso não ocorra, pois boa parte dos prefeitos que assim se comportaram, já perdeu a reeleição (alguns com votações ridículas). Com o pouco mais de conhecimento hoje disponível sobre o mal, espera-se mais seriedade e que o problema não seja combustível para dar partida precoce às eleições de 2022.

Está na hora das autoridades sanitárias definirem os protocolos a seguir durante o período em que o vírus estiver circulando e ainda não houver a imunização da população. Temos alguns meses até a chegada da estação temperada e fria (a partir do mês de abril). Devemos observar o que ocorre na reinfecção da Europa e lá prospectar medidas que possam ser adotadas aqui no caso da anomalia se confirmar em nosso território.

Na outra ponta, vemos os laboratórios se esforçando para chegar à vacina eficiente. Quando a droga estiver disponível, não importa de onde venha, é preciso que se monte o melhor esquema para a sua aplicação. Sem a truculência da obrigatoriedade e nem a incompetência que possa torná-la indisponível a regiões ou segmentos da sociedade. O SUS tem de ser o grande distribuidor, e estados e municípios – que também integram o sistema – fazer a sua parte, como já se faz com as demais vacinas.

Os governantes precisam, também, ter sensibilidade para não cometer a atrocidade dos lockdowns e quarentenas exacerbadas que podem levar à população prejuízos e sofrimentos maiores do que a própria pandemia. Chega de engano e intolerância!

Em tempo: com os recursos empregados na pandemia, especialmente a compra de respiradores e equipamentos de UTI, é preciso equipar os hospitais e, com isso, evitar que, com pandemia ou sem pandemia, pacientes graves continuem morrendo nas filas de internação. Esse problema é anterior à Covid-19 e está aí à espera de solução...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.