Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ninguém, em sã consciência, pode negar que a defesa do homem em face dessa inusitada pandemia lança raízes na ciência, lembrada segundo o senso comum.

Essa foi a ideia lançada tantas vezes no Brasil dos últimos tempos. Porém, seria preferível optar-se pela referência ao conhecimento. Claro que, sob a ignorância e o achismo, somente se poderia atingir o ponto nefasto a que chegamos, não só em prejuízo dos brasileiros como de toda a humanidade, em razão da multiplicação geográfica da contaminação.

Isso porque o conhecimento foi corretamente cindido em duas fórmulas pelos epistemólogos: divide-se em técnica e em ciência. Distinguem-se porque a técnica nos ensina o "como". E a ciência nos diz o "porquê". O "como" consertar um aparelho de televisão nos leva ao resultado pragmático desejado, mas permanecemos, em geral, ignorantes do "porquê" as medidas adotadas produziram a recomposição útil do objeto.

Em relação às medidas da crise, a ciência, em verdade, executa técnicas. A técnica do isolamento e do distanciamento social, da constante limpeza das mãos, do álcool gel, tudo para evitar que o vírus penetre por nossas cavidades expostas: a boca, o nariz e os olhos. E, uma vez contraído o mal, a técnica dos respiradores e dos procedimentos medicamentosos. Mesmo a descoberta de uma vacina, fundada em exaustivas experiências empíricas, seria uma técnica de obstruir os efeitos danosos do vírus no ser humano, não uma ciência.

Descobrir a ciência seria explicar os motivos pelos quais homem e vírus não podem coabitar neste planeta. As razões de sua incompatibilidade. Quais as propriedades biológicas de cada qual que os excluem da vida harmônica sobre o planeta Terra.

Sabe-se que o vírus já se encontrava neste páramo cósmico quando se desenvolveu a vida humana. Porém, não será, obviamente, o direito de propriedade - o direito do primeiro ocupante, um de seus fundamentos - que nos dará uma explicação científica.

Se o homem, até hoje, domina apenas pequena parcela de seu potencial cognitivo, isso ocorre no domínio das ciências. Ele conhece quase que completamente todas as técnicas, o que lhe possibilita a vida contemporânea de incríveis avanços tecnológicos. Mas ainda conhece pouco sobre o "porquê" da internet, das comunicações e das visões à distância em tempo real, enfim de todas essas conquistas, que imprecisamente se dizem científicas e que nos proporcionaram inimagináveis comodidades existenciais.

O avanço no campo estrito da ciência será um dos legados paradoxais dessa triste pandemia, que leva a vida de muitos de nossos irmãos da espécie. Em tempo que não se pode prever a ciência nos desvendará quais sejam as condições originárias de ocupação de um planeta - sempre mutáveis e incertas, segundo o enunciou Heinsenberg e sua física quântica das probabilidades -  por várias espécies e os modos pelos quais poderão conviver na ocupação dos espaços cósmicos.

Até hoje, a atividade científica se voltou ao mundo macrofísico. Foi ele o objeto da física de Newton e mesmo de Einstein, da energia, da matéria, das grandes distâncias e de sua relatividade, que revolucionaram os conhecimentos humanos e nos proporcionaram o "admirável mundo novo". Todavia, pouco se caminhou na esfera microfísica, como na microbiologia, onde encontramos o vírus. Por interesses políticos, posto que um foguete espacial tripulado pode render votos, enquanto o financiamento das pesquisas biológicas do invisível tem tanta importância para os donos da política como o investimento em saneamento básico.

Amadeu Garrido de Paula, poeta e ensaista literário, é advogado, atuando há mais de 40 anos em defesa de causas relacionadas à Justiça do Trabalho e ao Direito Constitucional, Empresarial e Sindical. Fundador do Escritório Garrido de Paula Advocacia e autor dos livros: “Universo Invisível” e “Poesia & Prosa sob a Tempestade”. Ambos à venda na Livraria Cultura. bruna@deleon.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.