Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Embora exista em nossa Constituição desde a proclamação da República, em 1889, o federalismo brasileiro está muito longe da fonte inspiradora – as ex-colônias inglesas que constituíram  os Estados Unidos – onde cada ente mantém sua autonomia e em conjunto formam a União. Aqui, a União sempre teve a supremacia (política e econômica), restando o poder relativo a estados e municípios, muitas vezes contestados e até subjugados. Mas a vida sob o jugo do coronavírus está mudando o quadro. Começou a mudar quando o Supremo Tribunal Federal garantiu a governadores e prefeitos o controle das ações de combate à pandemia. Mais do que enfraquecer o poderio federal, colocou-se o fardo sobre os ombros dos governantes regionais e locais e, como os recursos estão acumulados na União, teve a corte de proferir decisões para obrigar Brasilia a destinar os recursos necessários às ações de estados e prefeituras. Houve governadores que aproveitaram bem o momento, outros que se deixaram levar por irregularidades (e até corrupção) e hoje pagam o preço, e os que tentaram tirar proveito político da situação, o que parece não ter dado muito certo.

Depois do protagonismo dos governadores, verifica-se agora – no auge da reinfestação – a ação dos prefeitos. O de Araraquara decretou locksown no mês passado, fechando tudo assim que descobriu a existência em sua cidade de casos da variante Manaus do vírus. E já contabiliza resultados que faz questão de alertar seu povo para não comemorar porque a situação ainda é crítica. Agora, os governantes de São José do Rio Preto e Ribeirão Preto, duas “capitais regionais” paulistas também adotam medidas restritivas por conta do elevado percentual de lotação dos hospitais, especialmente dos leitos e das UTIs destinados a pacientes da Covid-19. Diferente dos governadores, que agem por amostragem, os prefeitos atuam à sombra da realidade local, que vivem no seu dia-a-dia. Várias capitais e inúmeras cidades pequenas e médias, em diferentes estados, já estiveram fechadas nos últimos dias e hoje avaliam os resultados.

Os prefeitos deverão resultar mais eficientes que os governadores, pois têm a oportunidade de agir especificamente no problema local e, inclusive, argumentar e negociar,  convencendo o seu empresariado quanto à necessidade de suspender temporariamente ou reduzir o volume dos negócios. Forçado pela emergência, o Brasil é levado a dar a devida força ao município, como determinam os mais eficientes manuais de política e democracia que, em nosso território servem apenas para o discurso político, pois a União e os estados polarizam o poder e o município = o único dos entes federados a se relacionar com a população -  tem sido, historicamente, o chamado primo pobre.

Os resultados das iniciativas desses prefeitos pioneiros devem incentivar outros governantes locais a fazer o mesmo. Se conseguirem baixar o número de infectados e mortes e, ao final, contribuir para o fim do flagelo chinês, terão demonstrado claramente que o poder local é mais eficiente do que as decisões tomadas nas capitais que, na maioria das vezes, não levam em consideração as características das populações e a forma que cada uma delas é impactada pelo problema.

Saindo-se bem dessa tarefa emergencial e contribuindo para eliminar a Covid-19 no país, os prefeitos e todos os que empunham a bandeira do municipalismo estarão em condições de, durante as reformas administrativa, tributária e política que se avizinham, reivindicar por mais recursos e autonomia aos municípios. Será a primeira chance concreta de fazer frente ao muitas vezes perverso gigantismo federal e estadual, que emperra o nosso desenvolvimento...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.