Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Penso que nesse momento todos os esforços devem ser canalizados para enfrentar e resolver a pandemia. Não seria a hora de o Senado, Câmara ou qualquer outra instância legislativa mobilizar-se  com CPIs e outras apurações. Mas, já que a determinação veio de um ministro do Supremo Tribunal Federal, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, tinha duas alternativas: não acatar e abrir crise com o Judiciário, ou aceitar e, para ser justo, estender as apurações - inicialmente focadas no governo federal - a estados e municípios que receberam dinheiro de Brasília para o enfrentamento ao coronavírus. Deve ser a primeira vez que uma apuração federal desce para os níveis estadual e municipal e isso se justifica pela origem dos recursos, sabidamente desviados em alguns entes federados.

Desafortunadamente, na política brasileira, CPIs, ações populares e outras medidas extremas – constituem-se em munição para a oposição desgastar o governo. É o que parece ser a CPI da Covid, cujo requerente pretendeu apurar só possíveis omissões do presidente da República e sua equipe, mas passou a largo de governadores e prefeitos. O Senado corrige a omissão e ,com a amplitude da comissão em instalação, vai rastrear o dinheiro que saiu dos cofres federais. É preciso apurar e levar às ultimas consequências casos como a aquisição de respiradores em loja especializada de vinhos, a compra de equipamentos que foram pagos mas não entregues pelo fornecedor, o destino dos hospitais de emergência desmontados no arrefecimento da pandemia, e outras coisas esquisitas. Quem recebeu o dinheiro precisa dele dar conta, mesmo o tendo empregado num momento emergencial onde os ritos de concorrência pública foram afrouxados em favor da celeridade.

Melhor do que se reunir em pesquisa a CPI – até em função da crise sanitária – deveria requisitar que todos os governadores e prefeitos apresentem ao Ministério Público, num curto prazo, o relatório do que fizeram com o dinheiro recebido para enfrentar a Covid-19. Com essa simples providência de ordem administrativa, a instituição teria condições de analisar todo o objeto da investigação e, inclusive, requisitar inquérito policial e denunciar os que tenham cometido crime ou infração administrativa. Encontrando em desacordo, governadores, prefeitos ou outros ocupantes de cargos eletivos envolvidos, que estes sejam denunciados e julgados por suas infrações no respectivo nível. No caso de servidores públicos,  sejam sindicados. E os particulares, processados conforme sua culpa ou dolo.

Precisamos acabar com os esquemas de desgaste de que se ocupam os ruidosos segmentos oposicionistas. As ações de parlamentares e partidos deveriam ser voltadas para a solução de problemas e não terem como foco o desgaste do governo, seja ele o federal, o estadual ou o municipal. Não podemos continuar assistindo a polarizada crônica de incompreensões. Os parlamentares devem exercer o seu mandato no pólo positivo e com vistas ao aperfeiçoamento do processo político-administrativo. E os governantes, empenhar-se em fazer o melhor, de acordo com aquilo que prometeram ao eleitorado quando pediam os votos que os levaram aos postos que hoje ocupam.

CPIs com o escopo de desgastar não têm razão de existir. Se o parlamentar – ou mesmo alguém do povo – tiver conhecimento de irregularidades, em vez de montar um palanque, o melhor a fazer é chamar a polícia. Isso pode não dar visibilidade e nem rendimento eleitoral, mas com certeza, restabeleceria o respeito do povo pela classe política...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.