Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A minuta do novo Código Eleitoral, em tramitação na Câmara dos Deputados, pretende estabelecer um "percentual de acerto" no resultado das pesquisas eleitorais e impor restrições à sua divulgação. A matéria devera ser votada em breve. Chama a atenção o número de pesquisas e consultas populares produzido Brasil afora nos últimos meses, sobre as eleições presidenciais que acontecerão só daqui a 15 meses. Longe de duvidar dos bons propósitos ou da capacidade dos realizadores. Mas, com tanta antecedência, torna-se difícil prever qual será o quadro vivido pelo país na época em que o eleitorado for chamado a se manifestar. Pesquisa é um "retrato do momento" e ele pode modificar-se em questão de horas, dependendo do impacto dos acontecimentos que envolverem seus personagens. Da mesma forma que confiamos, podemos também supor que o expediente da pesquisa não pretende aferir a tendência do eleitorado, mas apenas usá-la como instrumento de campanha antecipada para qualquer dos possíveis concorrentes.

            A uma distância tão grande do evento a pesquisar, não existem variáveis seguras para orientar o levantamento. Não temos sequer os candidatos, embora saibamos que Bolsonaro, por estar no mandato, deve ser um deles, embora isso não seja obrigatório, e que Lula se apresenta como o seu oponente, se puder continuar contando com os benefícios recebidos do Supremo Tribunal Federal, que anulou suas condenações, mas não invalidou os processos. Hoje a oposição luta pelo impeachment de Bolsonaro e, como o STF o soltou e anulou as sentenças mas não encerrou os processos, Lula poderá ser novamente condenado e voltar à inelegibilidade. Qualquer desses eventos alteraria profundamente o quadro. Quanto aos demais, não passam de suposições, alguns já perdedores de pleitos anteriores (exemplo de Ciro Gomes) e outros em busca de decolagem que enfrentam problemas até no próprio partido (como os tucanos João Dória e Eduardo Leite). Impossibilitados de voar com as próprias asas, outros pretendentes tentam construir a chamada terceira via, com um nome suprapartidário, algo difícil num ambiente político como o do Brasil atual, onde, conforme já dizia Jânio Quadros, "ninguém renuncia a nada". Lembremos que Jânio renunciou à presidência da República e a crise que motivou seu ato extremo volumou-se.

            Os números que se têm divulgado a partir das pesquisas – independente do formato em que foram realizadas – são inconsistentes porque atribuem a um mesmo pretendente vitoria e derrota e números que vão de 6% até 80% da "preferência popular". Logo, não oferecem massa crítica para raciocínio e nem a segurança evidente de não manipulação do que está pensando o eleitor. Para analisar esses resultados é preciso, pelo menos, verificar as perguntas aplicadas aos pesquisados e as questões político-ambientais do momento. Qualquer barra forçada ou acontecimento extraordinário pode, facilmente, tirar o povo do seu raciocínio normal, que volta a vigorar depois de passado o impacto do evento.

            As pesquisas, a essa altura, devem ter mais utilidade interna. Realizadas com critério, poderão orientar os partidos e  seus pretendentes a candidato quanto às suas possibilidades de sucesso. Levá-los a colocar o próprio nome à apreciação do eleitorado ou a fazer alianças com quem tenha mais condição de encabeçar uma chapa e, talvez, constituir a hoje especulada terceira via para se contrapor às candidaturas rotuladas como de direita e de esquerda. Importante lembrar que, no controvertido e passional quadro eleitoral brasileiro, os institutos de pesquisas têm tido grandes problemas para prever o resultado das eleições, mesmo executando as consultas quando as campanhas já se encontram na reta de chegada e o eleitor está praticamente definido. Os institutos são frequentemente contestados, justa ou injustamente. E depois de conhecidos os resultados,vêm as justificativas. Os políticos, os partidos e até os pesquisadores precisam se reinventar, para não desaparecer.  

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

aspomilpm@terra.com.br                                                  

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.