Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Brasil fechou a balança comercial de 2021 com o superávit de US$ 61,008 bilhões As exportações somaram US$ 280,394 bilhões, alta de 34%, pela média diária, em relação ao calendário anterior. Já as importações ficaram em US$ 219,386 bilh&otil de;es, aumento de 38,2% na mesma base de comparação. Assim, a corrente de comércio, que soma exportações e importações, alcançou US$ 499,780 bilhões, uma elevação de 35,8%. No ano de 2021, as vendas para China, Hong Kong e Macau avançaram 28%. Para os Estados Unidos, aumentaram 44,9% e, para a União Européia, 32,1%. Para 2022, a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex) estima que a nossa balança comercial deva registrar superávit  de US$ 79,4 bilhões. Se confirmado , o saldo representará alta de 30,1% em relação a 2021.

O número apurado em 2021 é 8.9% superior ao recorde das sobres entre exportação e importação, o corrido em 2017 mas, apesar de bom, ficou abaixo da previsão do governo, que era terminar o ano  contabiloizando sobras de US$ 70,9 bilhões. O certo é que, mesmo sob os efeitos da pandemia – que já matou 620 mil brasileiros e impediu o trabalho e a produção em razão de quarentenas, lockdowns e outras medidas restritivas, a economia demonstra vitalidade. Muito diferente do que insistem em afirmar os ditos especialistas, que pintam o quadro como se fosse de aproxima ção da catástrofe.

Observe-se que, apesar das restrições e até da quebra de muitos negócios – especialmente os pequenos – inviabilizados pelas medidas sanitárias -  a economia vai bem no geral. O agronegócio é o grande garantidor, mas na cidade também se verificam muitos lançamentos imobiliários (que jamais ocorreriam numa situação de crise aguda), o mercado de automóveis está aquecido, tanto que na falta dos novos cujas montadoras não conseguem finalizar por falta de componentes eletrônicos, os seminovos valorizaram-se e chegam a custar mais do que o preço do mesmo modelo zero quilômetro.    

Com todo respeito aos montadores de cenários – boa parte deles com passagens pelos governos das últimas décadas -  não dá para acreditar que esse seja um país inviabilizado pela crise. O que, com certeza, ocorre é o desníveis de produção e a existência de setores  problemáticos, o que é comum em toda economia. Em vez da sinistrose e das previsões de que poderá faltar comida no próximo ano, o mais adequado seria todos os cidadãos categorizados dando sua contribuição para a solução dos problemas e das desigualdades.

Sem entrar no mérito das discussões e até na razão ou falta dela aos que participam da polarização, somos levados a registrar que em vez de atuar positivamente em busca de soluções, a preferência tem sido pelo contraditório e identificação de defeitos de uns contra os outros. Parece que ninguém acredita na possibilidade de o Brasil seguir em frente a não ser que ele próprio ou o seu grupo esteja no governo. Isso é um engano absoluto. Em vez da bestial luta pelo poder – e para atrapalhar aqueles que já o conseguiram – o bom seria q ue todos os setores estivessem francamente empenhados em buscar a correçãso das dificuldades. E que a polarização se desse em torno do encontro da melhor solução a cada demanda e não do melhor argumento para atrapalhar a vida do adversário.

Pensem todos os senhores e senhoras detentores de parcelas da inteligência nacional.  O país só conseguirá atingir o sonhado grande destino através da concórdia e da colaboração. É evidente que os segmentos têm direito a manter e defender seus ideais, mas não de aplicá-los para impedir que os governos executem as tarefas que os levaram a ser eleitos. É inevitável que o debate se acalore durante as campanhas eleitorais, que constituem o momento de cada um dizer o que pensa e com isso conquistar votos. Mas, passada a eleição, quem não pode ajudar não deve atrapalhar. O presidente, governadores e prefeitos precisam de espaço e até voto de confiança para cumprirem com suas obrigações. Quem não se elegeu ou, por alguma razão, é de oposição (o que é legítimo numademocracia) não pode atravessar-se  no caminho do eleito. O melhor é acompanhar, se possível até ajudar e, nas próximas eleições, apresentar proposta melhor e com isso tentar obter a maioria dos votos.

Os números de produção não mentem. Não dá para ver o Brasil na desvantagem genérica que se insiste em difundir nacional e internacionalmente. O que pode atrapalhar é a propaganda negativa que setores insatisfeitos realizam. O grande desafio do momento é convencer as inteligências nacionais de que, apesar dos problemas, somos um país viável e que, com a ajuda de todos, acima de ideologia, partido e interesses de grupo, a vida se tornará mais fácil e satisfatória para todos os brasileiros...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.