Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A reforma da previdência social, pregada pela comunidade econômica como essencial  à recolocação do país nos eixos, gera discussões. Além das idades mínimas para aposentadoria, tempo de contribuição, tetos salariais e diferenças entre servidor público e privado, há a questão dos militares. A classe lembra de suas especificidades e com isso rejeita seu enquadramento no regime geral. Estudos revelam que enquanto o trabalhador das empresas se aposenta após contribuição por 30 anos (mulher) e 35 (homem), o militar, por não ter o mesmo direito do civil a horas extras, adicionais noturnos, de feriados e fins de semana, mesmo indo para a inatividade aos 30, trabalha o equivalente a 45 anos se considerada a jornada de 8 horas diárias. Cada militar excede, em média, quatro horas diárias a sua jornada de trabalho em cercos, prisões em flagrante e outras atividades de segurança. Militar também não tem Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e, depois de inativo, continua recolhendo para aposentadorias e pensões, tendo seu período médio de contribuição calculado em 62 anos. Isso sem falar que os regulamentos o impedem de exercer outra atividade e de rejeitar trabalho perigoso.

Os militares envolvidos na discussão admitem a reforma previdenciária. Mas defendem critérios próprios, decorrentes das especificidades da profissão e de sua utilidade pública na segurança nacional. Quem não tem os mesmos direitos trabalhistas do setor privado, não pode ter sua seguridade a ele comparada, defendem. E se for mudar, é preciso instituir os direitos, coisa que o cofre público dificilmente conseguiria suportar.

O foco mais aparente das discussões está entre os militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, as três forças federais compostas por 300 mil homens e mulheres. Mas é necessário considerar a existência das instituições militares estaduais (polícias e bombeiros), cujos regimes de disciplina, hierarquia, obrigações e direitos são semelhantes aos das Forças Armadas. Com uma diferença: enquanto as três armas federais, em tempos de paz, como os que vivemos, precisam estar sempre preparadas e à disposição para eventuais ações ou até para a guerra, os militares estaduais vivem na permanente guerra urbana da segurança pública. Seus soldados de todas as patentes têm a missão de policiamento ostensivo e preventivo e diuturnamente confrontam com a marginalidade. Matam, morrem, sofrem, são incompreendidos e, mesmo assim, cumprem o dever social e profissional.

Os responsáveis pela reforma previdenciária jamais deverão descolar o militar estadual do sistema que vier a ser gestado para o federal. Isso seria um duro golpe e traria sérias consequências para a nossa já sofrida e insuficiente segurança pública. As coisas são como são devido à lógica do setor e, principalmente, as condições do cofre público que não teria recursos suficientes para dar ao militar o mesmo tratamento que a CLT e legislações complementares garantem ao trabalhador do setor privado.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.