Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

De uma dezena de pretensos candidatos à presidência da República na condição de terceira via, dois já se apresentaram, um desistiu e outro foi preterido na complicada prévia do seu partido. Existem ainda seis para se definirem. A terceira via, no sentido em que foi pensada, seria a união, em torno de um candidato, de todos os que não se alinham à direita de Bolsonaro nem à esquerda de Lula. A filiação de Sérgio Moro ao Podemos foi o primeiro ato, seguido da desistência do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandeta (DEM), que anunciou o propósito  de concorrer à Câmara dos Deputados porquê, para presidente, apoiará o ex-juiz. No fim-de-semana, o fechamento da previa do PSDB fez do governador de São Paulo, João Dória, o virtual candidato tucano à presidência e descartou o também governador (do Rio Grande do Sul) Eduardo Leite.

O próximo lance do processo de  construção da candidatura de terceira via, seria a negociação entre Moro e Dória e daí surgir o candidato que reconhecidamente reunir e demonstrar melhores condições para enfrentar Bolsonaro e Lula com possibilidade de vencê-los. E assim sucessivamente, até se encontrar o concorrente consensual do grupo. Nessa altura é que começam as dificuldades. Ninguém sabe até onde cada  postulante - tanto os já declarados quanto os que ainda pendentes - terá discernimento, humildade e espírito público suficientes  para admitir que o outro é melho e, além de abrir mão da própria candidatura, passar a apoiar o até agora adversário.

Embora alguns possam pensar, de maneira otimista, ter força para vencer o páreo, por razões obvias, é flagrante que, sozinho, nenhum dos pretendentes reúne atualmente credenciais eleitorais para bater Bolsonaro ou Lula. Sugere-se deixar para montar a candidatura de terceira via só no segundo turno. Mas, nessa alternativa, pergunta-se: algum deles teria vigor para passar ao segundo turno? Se nada de especial ocorrer, é lógico que não, e os candidatos daquela fase seriam, fatalmente, mais uma vez, Bolsonaro e Lula ou quem ambos indicarem caso desistam de concorrer.

Aquele que resultar como candidato em oposição à polarização direita-esquerda terá de provar aos demais ser o melhor para o quadro que se apresenta para 2022 e, ainda, acenar com motivos - e possivelmente vantagens - para os candidatos desistentes e seus partidos o apoiarem. Sem isso, adeus à terceira via. Apesar dos 36 partidos políticos oficialmente registrados, só se destacam as forças representativas de direita e de esquerda. A direita hoje encarnada pelo presidente, prestes a filiar-se ao PL, e a esquerda capitaneada por Lula que, com a anulação de suas condenações pelo Supremo Tribunal Federal, se esforça para aglutinar o que sobrou do PT e seus satélites depois do impeachment de Dilma Rousseff e dos escândalos de corrupção nos governos petistas.

A arquitetura politico-eleitoral construída a partir de 1985 não favorece o surgimento de novas lideranças. A formação de maiorias parlamentares através da troca de votos congressuais por benesses apequena os congressistas e a adoção da reeleição para presidente, governador e prefeito, prolonga a vida útil dos que chegam ao poder, mas traz inconvenientes efeitos colaterais. O principal deles é o governante ter de dividir seu tempo e esforço entre governar e  articular para se reeleger ao final do mandato. Bolsonaro só conseguiu furar o círculo vicioso estabelecido pelas reeleições de FHC, Lula e Dilma porque, ao tomar posse logo após o impeachment de 2016, o vice-presidente Michel Temer declarou não almejar a reeleição. Mas, desde que assumiu, o presidente constrói sua reeleição e sofre severa campanha de adversários interessados em sua cadeira, o que é prejudicial ao país.

A terceira via, se vingar, poderá ser um diferencial de ajuda à esquerda. Isso porque tende a tirar votos de Bolsonaro e não fará o mesmo com Lula ou seu preposto na eleição, pois, tradicionalmente, quem vota na esquerda não muda o seu voto e não deixa de votar. Já os de centro e de direita, quando seu candidato perde, engrossam os números da abstenção. Eleitores de Moro ou Dória, por exemplo, não votariam em Bolsonaro  nem em qualquer outro que não seu próprio candidato. .

O ideal seria que, para tirar o presidencialismo do impasse, antes das próximas eleições, o Congresso votasse a revogação da reeleição para o Executivo, valendo para os governantes federal e estaduais eleitos em 2022 e para os municipais escolhidos em 2024. Impedir os atuais  de utilizar esse direito adquirido, seria puro e antidemocrático casuísmo.  

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.