Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A turma da empatia de vitrine virtual, que não consegue passar um dia sequer sem sinalizar suas virtudes cosméticas, continua caminhando pelas redes sociais num passo rápido do nada para lugar nenhum, com um olho na reação de aprovação manifestada pelos seus iguais e, com o outro, para o magnetismo do abismo da sua consciência umbilical vestida com a túnica da “responsabilidade social”, destilando sem a menor cerimônia a peçonha totalitária que viceja em seu coração.

Pois é. Por essas e outras que não tenho palavras para retratar essa turma que até a véspera estava, a plenos pulmões, gritando e batendo no peito para dizer que “a economia a gente vê depois” e agora, vejam só como são as coisas, estão, com os olhinhos reluzindo de indignação frente ao desemprego e diante da crise que está levando muitas famílias a uma situação de penúria. Na verdade, teria algumas palavras para dizer sim e, por incrível que pareça, não são palavrões. São apenas algumas palavrinhas.

É uma tremenda insensatez impedir as pessoas de tocarem suas vidas, de conquistarem com o suor do seu rosto o pão nosso de cada dia, e esperar que tal atitude, autoritária até o tutano, não tenha consequências desastrosas na vida das pessoas, porque o trabalho não é o contrário da vida; trabalhar é um dos alicerces da existência humana. Sempre foi. Só não entende isso quem é filho de papai e nunca teve que ralar para pagar suas contas, ou quem pode se rejubilar por desfrutar de uma sinecura, seja ela polpuda ou minguada.

Aliás, todos aqueles que a um ano e pouco atrás diziam, do alto de sua “criticidade criticamente crítica”, que “a economia a gente vê depois”, deveriam lembrar que quando se fala em economia, está se falando do trabalho de inúmeras pessoas, da vida, repito, da vida de incontáveis cidadãos. Trabalho esse que além de alimentar o corpo, também nutria sonhos, fomentava expectativas e dava corpo a projetos pessoais e familiares que, direta e indiretamente, poderiam impactar positivamente a vida de muitas outras pessoas.

Pois é. Mas, na época, tais pessoas, com suas virtudes de boutique, não pensaram nisso. Não mesmo. Segundo elas, a sua única preocupação era salvar vidas; impedindo as pessoas de viver.

Quando paramos de lutar pela vida, quando somos impedidos de trabalhar, a consequência é uma só e de fácil previsão porque, como todos nós sabemos, o pão nosso de cada dia não cai do céu. Não tem como cair porque o Estado não é Deus. Não. É apenas um faraó mequetrefe.

Agora o tempo é outro. Hoje são outros quinhentos. Ah! Sim. Hoje, a galera do “fique em casa”, rasga as vestes nas redes sociais, nas ruas, nas mesinhas de lanchonetes e bares; rasga as vestes até mesmo numa casinha de sapê, para manifestar sua indignação limpinha -, dentro das normas sanitárias do novo anormal - frente ao desemprego que assola o nosso triste país, desemprego esse que tem uma relação direta com as totalitárias restrições sanitárias que foram impostas à toda a sociedade.

Na real, bem na real, tais figuras deveriam prostrar-se discretamente no fundo do templo das suas consciências e, diante do altar da verdade, que habita cada um de nós, agir tal qual o publicano da parábola bíblica. Deveriam bater no peito e dizer para si mesmos: “Bah! Montei num porco”.

Sim, é muito complicado para nós, meros seres humaninhos, admitirmos que defendemos uma ideia equivocada e que essa trouxe consequências terríveis para a vida de muitíssimas pessoas, principalmente quando temos que reconhecer que as razões que nos levaram a defender tais coisas não eram assim tão nobres quanto acreditávamos que eram.

Toda vez que leio alguma matéria, ou vejo alguma reportagem a respeito da situação calamitosa em que se encontra a nossa vizinha Argentina, não tenho como não lembrar que o quadro tétrico que é vivido pelos nossos hermanos poderia ser o quadro vivido por nós, caso tivéssemos seguido à risca as recomendações histriônicas que eram apontadas pela turma que imaginava – e, talvez, ainda imagine - que a economia, que o trabalho pode ficar para depois. Graças a Deus não é o nosso caso.

Nossa situação, atualmente, não é das melhores e estamos bem longe disso, mas também, felizmente, não é das piores.

Claro, mas é claro que o “presidento” poderia ter agido de uma forma muito mais condizente com o cargo que lhe foi investido. Não há dúvidas quanto a isso, “taoquey”. O seu pronunciamento em rede nacional onde dissertou sobre seu histórico de atleta, e bem como a história do jacaré, entre outras declarações e ações, entraram para todo o sempre para os anais da história [por favor, não maliciem]. Porém, mesmo com as limitações que lhe são características e com os obstáculos que foram impostos pelos Supremos, ele e sua equipe procuraram fazer o melhor possível. É importante lembrarmos que somos o quarto país que mais vacina sua população e que nossa economia está se recuperando enquanto a economia de muitos países está naufragando.

E tem outra: apesar de todos os entreveros sanitários, apesar de toda malícia rasteira da oposição fisiológica e da covardia da oposição ideológica, como disseram algumas vozes da velha mídia, “infelizmente temos boas notícias”, o número de novos empregos está crescendo e, por isso, a economia está “despiorando”. É meu amigo. A velha mídia usou esses termos mesmo que você acabou de ler.

Enfim, qualquer órgão de imprensa que noticie a melhora da economia dessa forma não está preocupado em informar, mas sim, em manipular a percepção e os sentimentos do público.

Abre parêntese: isso sem falar nos risinhos maliciosos que são apresentados junto às informações desencontradas que são atiradas aos quatro ventos digitais. Tais figuras esquecem que risinho cínico não é argumento. Nunca foi e nunca será, apesar de ser extremamente eficaz no processo de motivação e auto afirmação grupal. Fecha parêntese.

Pare e pense: porque é tão difícil para algumas alminhas dizerem que algo melhorou? Talvez, porque a correção dos erros promovidos pela narrativa cultivada pela turma do “a gente vê a economia depois”, seja uma má notícia para os seus promotores porque, no fundo insondável de suas consciências há uma intenção torpe que, como direi, seria inconfessável publicamente, apesar de a mesma estar estampada em seus rostos; e se fosse confessada iria mostrar uma face que não condiz com a autoimagem de bom-moço que é tão soberbamente ostentada por essa gente que se diz tão preocupada com os desafortunados dessa terra de Pindorama.

E ao dizer isso, por certo e por óbvio que não estou afirmando que todo aquele que acreditava que deveríamos ficar em casa estavam com segundas intenções e com muito ódio politicamente engajado num coração de resistência de papelão. Claro que não. Digo apenas que muitos, sim, estavam bem intencionados, que acreditavam e acreditam sinceramente nas narrativas e trocadilhos da velha mídia como se essas fossem a própria “voz da ciência”.

Pois é. Se o velho ditado popular estiver correto quando diz que para bom entendedor meia palavra basta, nesses casos, infelizmente, não há palavra que chegue, nem esclarecimento que possa ser abnegadamente alcançado e, por essa razão, a turma da empatia de vitrine virtual, que não consegue passar um dia sequer sem sinalizar suas virtudes cosméticas, continua caminhando pelas redes sociais num passo rápido do nada para lugar nenhum, com um olho na reação de aprovação manifestada pelos seus iguais e, com o outro, para o magnetismo do abismo da sua consciência umbilical vestida com a túnica da “responsabilidade social”, destilando sem a menor cerimônia a peçonha totalitária que viceja em seu coração.

Escrevinhado por Dartagnan da Silva Zanela - dartagnanzanela@gmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.