Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Manchete de jornal: “Se o Fundeb não for renovado, Educação Básica pode ficar prejudicada em 85% dos municípios gaúchos”.

“O Fundeb é uma reserva especial feita por todos os Estados e pelo Distrito Federal para subsidiar a educação básica. É formado por 20% de oito receitas (veja quadro abaixo) e distribuído proporcionalmente ao número de alunos. Também engordam o fundo 10% de verba federal calculado sobre o total arrecadado pelas 27 unidades da federação.”

Oito receitas que formam o Fundeb

    Fundo de Participação dos Estados (FPE)

    Fundo de Participação dos Municípios (FPM)

    Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)

    Imposto sobre Produtos Industrializados, proporcional às exportações (IPIexp.)

    Desoneração das Exportações (LC nº 87/96)

    Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD)

    Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA)

    Cota de parte de 50% do Imposto Territorial Rural (ITR) devida aos municípios

(Fonte: Ministério da Educação)

Quando a Educação não é tratada como investimento permanente para o fortalecimento do país, não podemos esperar  milagres  que possam melhorar o cenário de lentidão desenvolvimentista do Brasil.

É muito difícil acreditar em um país onde os recursos destinados à Educação são objeto de política de contingenciamento. Não faltam verbas para gastar nas campanhas políticas porque os políticos e governos são muito hábeis em encontrar soluções,  mas para a  Educação a parcimônia dos políticos e governos em liberar verbas assusta a todos nós.

Em um país sério, a primeira preocupação ou meta de governo deveria ser voltada para a Educação. Mas no Brasil, a Educação é tratada como moeda política e não existe nenhum programa  de longo prazo a ser cumprido por todos os governos na área educativa.

Assim, cada gestão governamental tem a sua forma equivocada de impor, alterar e administrar a Educação nacional.

A política educacional brasileira é tão maltratada e menosprezada que a pasta da Educação geralmente é dirigida por elementos de indicação política sem nenhum preparo técnico-educacional para administrar a área. Por exemplo, já foram ministros da Educação: os políticos Aloizio Mercadante, Tarso Genro, bem como os apolíticos Ricardo Vélez Rodríguez, colombiano naturalizado, e Abraham Weintraub, atual titular da pasta.

Júlio César Cardoso  - Servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC  - juliocmcardoso@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.