Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As crianças e os jovens de hoje estão enfrentando desafios novos na sociedade do conhecimento, da informação, da tecnologia e do virtual. A escola não pode mais se limitar a ensinar a ler textos escritos em livros, jornais, revistas. Não basta decifrar letrinhas e captar a mensagem que a superfície escrita (impressa ou digital) apresenta. Tem que cuidar do que traz real impacto para a vida dos aprendizes.

Os gaúchos têm um ditado interessante: “pato novo não mergulha fundo”. Querem dizer que a experiência vem com o tempo. Ocorre que a velocidade da sociedade digital-midiática exige que nossos aprendizes possam mergulhar já um pouco mais na superfície para saber se não estão diante de notícias falsas (“fake news”). O que é verdadeiro no que estão lendo? Ser mero operador adestrado não permite a um profissional dar cumprimento aos desafios que, presentemente, a vida na comunidade e nas organizações apresentam.

Não é mais suficiente que os aprendizes recebam informações, notícias e definições sobre “fatos”. Eles precisam ser desafiados a buscar o entendimento das causas do que está sendo mostrado. Chuvas assustadoras e enchentes nunca vistas antes? Incêndios devastadores na Austrália, na Califórnia ou na Amazônia? Crises econômicas e sociais? Aquele meteoro perigoso que estaria vindo por aí? E a avalanche de notícias falsas que estariam a encher as mídias sociais? É preciso discernir entre o que é fato e o que é mentira, bem como captar o significado para a vida deles.

Da mesma forma, pode-se afirmar que eles devem ser preparados para reconhecer o que é relevante para a construção das competências de que carecem (e de que precisarão) para dirigir suas vidas e a vida do grupo social em que inseridos. Sócrates propôs, há quase três mil anos, que a vida exige que nós passemos tudo por três peneiras: “as peneiras da sabedoria”. Cada ser humano tem o desafio de estar em busca de três valores fundamentais. Para tanto, basta responder se o que você diz, faz, ou aprende está baseado, de modo correto, na verdade, na bondade e na utilidade.

Instituições de ensino reconhecidamente bem sucedidos já se deram conta do desafio atual de mudança e inovação e estão caminhando voltadas para essa nova direção. Diversas escolas no mundo e no Brasil estão criando hoje essa nova realidade. Avaliações indicam que já há colheita de consequências benéficas para os aprendizes, no relacionamento interpessoal, na autoconfiança, no respeito à diversidade, e na atitude de autonomia aliada à de pertencimento. Além da já tradicional excelência na construção de conhecimentos e habilidades, têm sido ampliadas as condições para que eles desenvolvam atitudes virtuosas, conquistando competências amplificadas.

Na sociedade atual, em que assumimos diferentes papéis e em que se exige a convivência e a cultura do diálogo, é fundamental que a escola e os professores possam permitir que os aprendizes dialoguem, questionem, duvidem, tenham atitudes e posicionamentos. A nova geração, com maior facilidade de acesso às informações e de contato com outras culturas, deve ser desafiada e orientada ao livre questionar, criar e participar. Afinal, é ela a autora da aprendizagem e construção ativa do exercício de cidadania. A escola tem o dever de assegurar que isso ocorra de modo efetivo.

Eduardo Emmerick é professor de Filosofia e Sociologia do Colégio Positivo. Jeff Freitas é professor de Literatura e Arte do Ensino Médio do Colégio Positivo.

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.