Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Diante do impasse entre o governo federal e o Fundo Amazônia, que recebe recursos da Alemanha e da Noruega, estados da região (Pará, Amazonas e Mato Grosso) buscam parcerias diretas e sem interveniência federal com doadores internacionais para financiar ações de combate ao desmatamento. O Fundo, criado em 2007, ensejou a troca de farpas entre a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente Jair Bolsonaro, na véspera da reunião do G-20, e anda rende mal-estar. Há muitos anos questiona-se a presença de ONGs internacionais na região. Além de se encontrar muita gente falando outros idiomas na floresta e suas cercanias, é notado o grande embarque e estrangeiros nos vôos com escalas em Manaus, parte desses passageiros acompanhados de índios. Daí as narrativas de intromissão estrangeira na área e, até, as desconfianças quanto a um plano de internacionalização em marcha. Teme-se, ainda, na possibilidade de infiltração do crime organizado ou de trustes para a exploração ilegal e predatória de nossos recursos minerais e outras riquezas.

A presença de ONGs (Organizações não Governamentais) em território brasileiro vem desde os anos 50. Levantamento do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), de 2002, o último disponível, diz que naquele ano o país contava com 276 mil fundações privadas e associações sem fins lucrativos. Incluem organizações religiosas, hospitais, escolas, universidades, associações patronais e profissionais, entre outros. Hoje se estima haverem aproximadamente 300 mil. Durante os governos militares essas instituições abraçaram a tese política da redemocratização e 62% delas foram criadas nos anos 90, já no período de democracia plena. Entre 1996 e 2002, o setor cresceu 175%, indo de 105 para 276 mil ONGs.

O grande problema não é o numero de ONGs, mas elas respondendo por trabalhos de competência do Estado e, dessa forma, com acesso a recursos públicos. O ideal seria atuarem supletivamente onde o Estado encontra dificuldade para operar. Logo, o mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções, até mesmo serem cooptadas pelo crime. Todas devem ser mantidas de forma a prestarem serviços comunitários e sem fins lucrativos. Também precisam se localizar estritamente dentro do propósito estabelecido em seus estatutos e de forma a não conflitante com as atribuições e obrigações do Estado. Não há razão para manter entidades funcionando, mesmo que sem fins lucrativos, sob bandeiras antagônicas à legislação e aos objetivos estatais.

Erram os que pregam o fim das ONGs. A necessidade é mantê-las sob controle,  distantes da utilização por grupos de pressão ou criminosos e, principalmente, de exploração ou atividades de cunho político-ideológico.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.