Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Cada dia é mais clara a premissa de que a solução – ou fim – da Covid-19 está na vacinação do maior número possível de brasileiros, até chegarmos aos 147 milhões de imunizados, o equivalente a 70% da população. Nesse nível – dizem os cientistas – ocorre a chamada imunidade de rebanho, onde o vírus perde sua condição de transmissão, porque não encontra em sua trajetória – de um espirro ou pelo levar as mãos à boca, olhos ou nariz – o hospedeiro em que possa viver, proliferar e alcançar novas vítimas. As pessoas que possam ser alcançadas já estarão imunes. Mas ainda estamos longe disso, com apenas 17 milhões de vacinados, o que equivale a 8% da população.

Demoramos para começar a imunização. Primeiro pela falta de vacinas no mercado, depois pelas exigências que os laboratórios fizeram e o governo brasileiro não aceitou e, finalmente, pela indigesta contenda política entre o presidente e governadores. Mas esses entraves já estão resolvidos pelo menos parcialmente. O Congresso Nacional aprovou leis nesse sentido e agora já temos em produção as vacinas do Instituto Butantan e da Fiocruz, recebemos a primeira partida de doses da Organização Mundial da Saúde e temos contratos assinados com os laboratórios norte-americanos. Isso sem falar das vacinas brasileiras em desenvolvimento no Butantan e na USP (Universidade de São Paulo) Campus de Ribeirão Preto. O novo ministro da Saúde promete vacinar 1 milhão de pessoas diariamente ainda durante o mês de abril. E a Justiça já tem decisões favoráveis à compra de vacinas pelas empresas – para atender a seus colaboradores – sem ter de doar uma parte delas ao SUS, conforme estabeleceram as normas iniciais.

Foi um erro criar embaraços para as empresas adquirirem a vacina. Se o tivessem feito  meses atrás, teríamos hoje um número bem maior de brasileiros vacinados e as doses adquiridas pelo governo poderiam ser destinadas apenas aos servidores públicos e à população sem vinculo empregatício e com menor condição financeira para comprar o imunizante. Espera-se que agora, quando já temos contratos e tratativas com diferentes fornecedores, o empresariado seja liberado para participar da imunização.

Todo empregador tem interesse em vacinar o mais rápido possível seus colaboradores e, para manter a saúde deles, também proteger seus familiares – mulher, filhos, pai, mãe e outros que morem na mesma casa. Estima-se que, no dia que isso for possível, a vacina de origem “particular” poderá imunizar até 80% da população, que é a massa trabalhadora e seus conviventes. Se isso já estivesse em andamento, os governos – da União, Estados e Municípios – poderiam estar direcionando seus recursos e trabalhos para ampliar o atendimento hospitalar e ambulatorial dos adoecidos. E, com o alto índice de vacinação, esse público logo começaria a diminuir e não aumentar conforme tem ocorrido nos últimos meses.

Já temos dito em artigos anteriores, mas nunca é demais lembrar. A pandemia é uma guerra sem tanque, metralhadora ou fuzil, mas se mostra tão letal quanto. A grande arma para vencê-la é a união entre os poderes públicos e até a população. Se não a conseguirmos, ainda teremos de sofrer muito até que o mal se acabe. Que os governantes remem todos numa só direção, e a população abandone os procedimentos de risco. A falta dessa linha comportamental  poderá custar muito sofrimento e vidas... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.