Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O país acompanhou uma verdadeira maratona para a renovação das mesas diretoras da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. No começo de dezembro, o Supremo Tribunal Federal, provocado, impediu que o ex-presidente Rodrigo Maia usasse artifício para se reeleger pela quarta vez ao posto e que David Alcolumbre também continuasse presidindo o Senado embora o regimento daquelas casas proíba a reeleição. Mesmo impedido, Maia tentou colocar Baleia Rossi na presidência através de um bloco de partidos de oposição. Como último suspiro, montou um superbloco parlamentar de esquerda com o objetivo de manter ainda algum poder na distribuição proporcional dos cargos da mesa diretora, ação que o novo presidente revogou como seu primeiro ato após a posse.

Os discursos dos presidentes – Arthur Lira na Câmara e Rodrigo Pacheco no Senado – são de restauração das duas casas que, por força do ativismo exacerbado que vêm abrigando desde o impeachment de Dilma Rousseff e aumentou contra Jair Bolsonaro, viveram nos últimos tempos um dos períodos mais negros de suas histórias. Os novos presidentes prometeram privilegiar o coletivo e acabar com o personalismo praticado por Maia e Alcolumbre. Oxalá cumpram e proporcionem à sociedade motivos para voltar a respeitar os parlamentares e acreditar no parlamento. O grande vencedor da super segunda-feira foi Bolsonaro que, explicitamente e pouco se importando com as reações dos opositores, apoiou os dois eleitos e espera, no lugar do engavetamento de projetos e do decurso de prazo das medidas provisórias que não eram pautadas, ter seus projetos discutidos e votados por senadores e deputados.

Que as novas mesas diretoras recoloquem Câmara e Senado a serviço da sociedade e não de indivíduos, grupos ou ideologias. Que voltem a ser a casa do povo que nunca deveriam ter deixado de ser e, com isso lucrem o país e todos os cidadãos. Que as negociatas, a corrupção e os maus costumes sejam colocados no passado e o povo, beneficiado, tenha motivos para voltar a respeitar e até admirar seus parlamentares.

Os presidentes agora eleitos, se cumprirem o prometido, conseguirão devolver ao Congresso Nacional a estatura que os errantes fizeram encolher e, sem qualquer duvida, todos nós, como sociedade, vamos lucrar. Que o ambiente seja propício à discussão e bom encaminhamento das reformas que o país necessita e que elas venham para melhorar a vida dos cidadãos, jamais para atender a grupos. Que os parlamentares de bons princípios tenham a força necessária para realizar os seus trabalhos e, com isso, demonstrar à sociedade o que podem executar para, ao mesmo tempo, mostrar quem são os do baixo clero e suas artimanhas, fazendo que estes sejam descartados da forma que melhor possa atender aos interesses coletivos.

Outra coisa: que as centenas de projetos e propostas hoje engavetados para atendera interesses subalternos sejam colocados em tramitação e os parlamentares, como colegiado, possam decidir seja para aprová-los ou rejeitá-los. O que não deve continuar existindo é o travamento que tanto mal tem feito ao país e beneficiado a poucos, inclusive a esquemas criminosos. Que o Congresso Nacional volte, finalmente, a funcionar à altura de sua tradição e importância e, com isso, atenda aos interesses da sociedade. Temos, à nossa frente, a grande chance. Não podemos desperdiçá-la...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.