Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ao questionar o direito de militares da Aeronáutica anistiados politicamente receberem indenizações, o governo traz à mesa a controversa questão do pagamento de reparação a todos os punidos ou ditos perseguidos políticos que puderam pleitear o benefício após o advento da Lei nº 10.559, de 13/11/2002, derivada da Medida Provisória nº 65, editada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso. Consta que a Comissão de Anistia recebeu 77.931 pedidos de reparação entre 2002 e 2018 e que, entre 2003 e 2010, o presidente Lula concedeu 33.915 anistias, Dilma Rousseff deu 4.264 e Michel Temer outras 442. E que ainda há uma fila de 12.669 candidatos à indenização que a lei fixa em parcela única de até R$ 100 mil ou em mensais de R$ 998 a R$ 39,3 mil. Detalhe: não há prazo final para o interessado requerer.

Indenizar quem em algum tempo se insurgiu contra o regime vigente é discutível. Chega a deslustrar a ação política ou ideológica do indenizado, pois o seu ato pelo país, povo ou sociedade, acaba se convertendo num negócio para benefício próprio. As indenizações a anistiados geraram à União uma dívida de R$ 17,4 bilhões, dos quais R$ 9,9 bilhões já foram desembolsados. Destes, R$ 6,4 bilhões foram para anistiados civis e R$ 3,5 bilhões para militares. O atual governo aponta que muitos dos beneficiários não têm fundamentos para receber a indenização, já que sua concessão tornou-se uma “indústria” tocada por escritórios  especializados.

A Comissão de Anistia que antes abrigada no Ministério da Justiça, foi agora transferida para o da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. A ministra Damares Alves está orientada a agir com rigor. Ela pretende divulgar a lista dos beneficiados e os valores que recebem. Além disso, tem também de, com toda transparência, tornar público o ato meritório ou a perseguição de que foi vítima e o fazem credor de indenização. O povo tem direito de saber porque o seu dinheiro é destinado a essas figuras. O tema já causou muita polêmica. Servidores de estatais, políticos notórios e artistas de renome são frequentemente citados como titulares de indenizações milionárias. Alguns desmentem, mas não conseguem evitar o desgaste. Há o notório caso do falecido jornalista e humorista Millor Fernandes que, chamado a receber indenização por conta dos problemas que teve com o governo militar, que criticava, recusou o benefício, dizendo ter atuado por ideologia, não por investimento.

Tramita na Câmara Federal o projeto 8636/2017, do ex-deputado Heuler Cruvinel (PP-GO), que fixa em dois salários-mínimos mensais o teto de indenização aos anistiados políticos. A matéria está nas comissões e, com a ausência do seu autor, dificilmente prosperará. Mas o governo tem a oportunidade de reavivar o assunto e corrigir as distorções. Detalhe: por mais merecimento que tenha o anistiado, a indenização jamais deverá ser superior ao teto das aposentadorias  do INSS. Seu caráter deve ser humanitário, nunca enriquecedor.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.