Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Biologicamente, não existe um ser humano assexuado, mas sim homem e mulher, cada um com características sexuais próprias. Porém, a sexualidade não envolve somente a dimensão corporal e biológica.

Sabendo que a sexualidade atinge também a dimensão da subjetividade humana, verifica-se que existe uma maneira masculina e feminina de pensar, imaginar, amar, agir e reagir; é o que se pode chamar de desejo sexual.

A sexualidade é algo que deve ser integrado na dinâmica geral da pessoa

A menina sente desejo pelo menino e vice-versa; é o desejo heterossexual. Nesse nível, a sexualidade torna-se comportamento, sentimento. Ao tornar-se vivência, a sexualidade humana configura o comportamento pessoal, revelado no modo de se vestir, na maneira como a pessoa age diante do sexo oposto entre outros. A sexualidade é algo que deve ser integrado na dinâmica geral da pessoa.

Dimensão psicológica

A dimensão psicológica, o eros, a esfera do erótico é entendida como a área da atração, do desejo. É por meio dessa dimensão que entramos no âmbito dos sentimentos. É o campo da sensualidade entendida em seu aspecto positivo. É algo como a irradiação da emoção sexual sobre todo o corpo.

Dimensão erótica

Na dimensão erótica, a linguagem mais comum é a da ternura, que se manifesta na vontade e na necessidade de dar e receber carinho. A sexualidade não permanece localizada exclusivamente nas zonas erógenas, encontra-se no todo do sujeito, como ser corpóreo.

Relação heterossexual

A relação heterossexual (entre homem e mulher) deve ser uma linguagem de amor. Não deve se guiar unicamente pela força do impulso biológico, mas deve ser assumida pela capacidade de amar e doar-se plenamente. Toda relação heterossexual que não consegue alcançar a linguagem humana do amor como expressão e, ao mesmo tempo, realização, acha-se distorcida e, portanto, é descartável do ponto de vista cristão.

Uma sexualidade que não apresenta a linguagem do amor é falha e compromete a realização do amor. É um comportamento sexual não condizente com a autêntica noção da sexualidade humana. A sexualidade precisa expressar-se pela linguagem do amor, do respeito, do compromisso, da fidelidade e da comunhão plena.

Linguagem de amor mútuo

O amor conjugal refere-se a algo já preestabelecido, pois, fundamentalmente, o homem está destinado à mulher e a mulher ao homem. São seres que se complementam. A sexualidade é a inscrição, na própria carne e em todo ser, de que os indivíduos não foram feitos para viver isolados. É a expressão da linguagem de amor mútuo, por isso mesmo, não pode ser considerada simplesmente um instinto fisiológico.

A pessoa se realiza no relacionamento responsável e de amor. Por ser um modo de aproximação do outro, ela pode ajudar a promover o desenvolvimento da personalidade ou bloqueá-lo. Pode, portanto, em alguns casos, criar conflitos em vez de aproximação.

A felicidade é um objeto constantemente buscado pelo homem. Não importa o que ele faça, todas as suas ações estão destinadas ao encontro da felicidade. Para que isso se realize, de fato, o homem precisa enfrentar o desafio de educar a sua sexualidade e encontrar um modo de domínio sobre ela.

Plenitude da sexualidade

A plenitude pessoal alcançada pela sexualidade só pode acontecer na vida matrimonial, pois a sexualidade é a expressão do nosso modo de amar. Por ser algo de tão grande valor e dignidade, a sua desintegração (voltada para a prostituição, estupro, pedofilia) pode ser destruidora.

Padre Mário Marcelo, scj - Mestre em zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (MG), padre Mário é também licenciado em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque (SC) e bacharel em Teologia pela PUC-RJ. Mestre em Teologia Prática pelo Centro Universitário Assunção (SP). Doutor em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana de Roma/Itália. O sacerdote é autor e assessor na área de Bioética e Teologia Moral; além de professor da Faculdade Dehoniana em Taubaté (SP). Membro da Sociedade Brasileira de Teologia Moral e da Sociedade Brasileira de Bioética. Membro do grupo Interdisciplinar de Peritos (GIP) da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Autor de livros publicados pela Editora Canção Nova.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.